Tecnologia do Blogger.

30/09/2015

CONSIDERAÇÕES: Lançamento do livro "Surpreendente"

Olá, leitores da Academia!
No último sábado (26/09) a Academia esteve presente no evento de lançamento do 6º livro do autor Maurício Gomyde: “Surpreendente”. Fizemos a cobertura completa do evento e o resultado vocês podem conferir abaixo:



                Surpreendente.
                Eu sei, clichê. Mas essa palavra define perfeitamente o caminho trilhado pelo autor até os dias atuais. Quando o conheci, em 2013, ainda na primeira edição do Semana do Livro Nacional (e consequentemente na criação do blog), Gomyde era um escritor independente, ou seja, sem editora. No ano seguinte, no evento Mochila Literária DF veio à notícia de que ele teria um livro publicado pela editora Novo Conceito. Algo totalmente inédito em sua carreira, depois de quatro livros independentes, sairia um com um selo editorial. Depois de anos de trabalho duro finalmente recebeu um convite de uma grande editora. A Academia esteve lá no lançamento do livro “A máquina de contar histórias” (fotos do evento aqui) e podemos dizer tranquilamente que foi um grande sucesso. Mas é claro, as surpresas não iriam parar por ai. O potencial do autor era enorme e algo realmente surpreendente o aguardava.
                Um convite da Intrínseca.


                Blogueiros e escritores sabem o quanto é difícil para um autor nacional se destacar no mercado editorial. Por vários motivos que vamos deixar para outro post. O fato é que os autores brasileiros tem de trilhar árduos caminhos para se destacar em grandes editoras. Temos alguns exemplos de sucesso como o Eduardo Spohr, André Vianco, Raphael Draccon, Carolina Munhóz, Raphael Montes, etc. Mas são poucos dentro de um universo de milhares. E a intrínseca pode ser considerada uma das mais difíceis de um autor nacional entrar. De autor independente a autor de uma das maiores e mais influentes editoras do país. Surpreendente, não?
                 Estivemos com o autor em um bate-papo exclusivo na bienal do livro (em breve vai sair um post sobre a bienal) e agora estivemos no lançamento do livro em Brasília. Novamente, sucesso total! Em ambos os lançamentos (bienal e Brasília), o estoque de livros acabou e teve de ser reposto as pressas, pois muitos fãs esperavam pelo seu exemplar. Em Brasília, foram vendidos mais de 150 livros em uma tarde divertida de autógrafos e conversas. Muitos leitores, fãs do autor compareceram ao evento. Com muita simpatia e carisma, Maurício atendeu a todos por quase 5 horas. 
               Surpreendente, 6º livro do autor, primeiro publicado pela Intrínseca,  tem arrancado muitos elogios dos leitores e críticos literários e podemos esperar muito mais. Será que um novo livro esta vindo ai?
               A Academia Literária DF parabeniza o autor pelo trabalho. Ficamos muito contentes com seu sucesso e esperamos de todo coração poder acompanhar de perto seus próximos projetos literários.



Em breve as fotos estarão disponíveis na nossa página, aguardem ;)

                
Leia Mais ►

29/09/2015

RESENHA - Primeiras Impressões (LRDO)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: OLIVEIRA, Laís Rodrigues de. Primeiras Impressões. 1ª edição. Brasília, Editora Kiron, 2014. 312 páginas.
Gênero: Romance.
Temas: Amor, adaptação, "Orgulho e preconceito", Jane Austen.
Categoria: Literatura nacional.
Ano de lançamento: 2014.










“Frederick não esperou uma segunda chance. Fez o mesmo com as próprias mãos e a beijou, como desejava desde que a conheceu. Tentou mentir para si mesmo. Tentou ignorar a atração. Tentou esquecê-la quando deixou o Brasil, e novamente quando deixou Washington. Tentou fingir que o que sentia por Liz não era nada. Mas era tudo. Ela era seu tudo.”
*Primeiras Impressões”, pág. 225.




   Lizzie Benevides é uma mulher independente e charmosa. A brasileira deixou o paraíso, Búzios, e foi estudar nos Estados Unidos com sua irmã Jane e Charlotte, suas melhores amigas. Com o término da faculdade, as amigas voltam para Búzios para passar as férias com a família. Elas não esperavam que o retorno mudaria a vida de todas, para sempre.
    Lizzie conhece os turistas Charles Bing e o amigo dele, o arrogante Frederick Darcy. Em uma história que oscila entre o amor e o ódio, descobrimos como a paixão supera todas as primeiras impressões ruins. Com paisagens belíssimas, o romance entre a brasileira e o norte-americano tem altos e baixos. O orgulho de ambos se fixa como uma barreira que eles deverão derrubar para viver o amor.
     A obra Primeiras Impressões é uma releitura do clássico “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. A obra original é um romance de época e foi publicado pela primeira vez em 1813. Já a obra Primeiras Impressões foi publicado em 2014 e tem como pano de fundo a sociedade pós-moderna. Eu ainda não tive a oportunidade de ler “Orgulho e Preconceito”, mas a obra Primeiras Impressões fomentou meu desejo de conhecer a famosa obra de Jane Austen. O livro apresenta muitos personagens e estes são bem organizados, sem se perderem no desenrolar da trama. O romance inesperado entre Liz e Frederick ganhou pontos por quase me matar de curiosidade para saber o que iria acontecer. Porém, o sentimento entre os dois personagens demora a se aflorar, o que desgasta a mente dos imediatistas. Acredito que na obra de Jane Austen seja assim, levando em conta os costumes da época. Por um lado, penso que poderia ser um pouco mais ousado. Por outro, imagino que isso “destruiria” a magia do romance original.
    Achei os diálogos incrivelmente bem construídos, da forma que aguça a vontade do leitor de estar participando da história. Entretanto, o longo espaço de tempo entre um acontecimento e o outro me incomodou bastante. Acho que esse “buraco” nos dá a impressão de que estamos perdendo algo de importante para a trama.
A obra é narrada em terceira pessoa, por um narrador onisciente. A narração se restringe (na maioria do tempo) no desenrolar da história de Lizzie e Frederick, mas também dá atenção especial ao romance de Jane e Charles. A trama é fluida e de fácil entendimento, sem complexidade linguística. A relação temporal é truncada, como dito anteriormente, a obra apresenta algumas lacunas de tempo.
A formatação é simples (eu gosto de livros assim) e quase não há ilustrações, apenas flores que separam alguns trechos dentro dos capítulos. Ah! Não poderia deixar de dizer que a capa de Primeiras Impressões é uma das mais lindas e originais que eu já vi - foi amor à primeira vista.   
A autora de Primeira Impressões, Laís Rodrigues de Oliveira é especialista em Direito Constitucional. Criou o blog LRDO em 2013 para desfrutar das suas paixões: literatura e cinema. Lançou seu primeiro livro em 2014, uma adaptação de seu livro preferido “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen.
Acredito que a autora soube representar muito bem - o que é uma responsabilidade e tanto - a eterna história de amor de Jane Austen. Recomendo o romance de LRDO para todos os dela e para aqueles que curtem histórias de amor com muitas aventuras que exploram os sentimentos humanos.



Bibliografia de LAÍS RODRIGUES:

Livros:
  • Primeiras Impressões – Editora Kiron (2014);
Leia Mais ►

28/09/2015

EVENTO: Lançamento do livro "A Retomada da União"

Olá, leitores! Hoje é dia de divulgação de evento :)




O que é?

"Bate Papo e Sessão de autógrafos do Terceiro Livro da trilogia Anômalos."

Quando?

Dia 03 de outubro (Sábado), às 16h00

Onde?

Livraria Cultura - Casa Park

Link do evento: aqui.


Academia Literária DF esta apoiando o evento e fará uma cobertura completa para nossos leitores! Esperamos vocês lá ;)

Leia Mais ►

27/09/2015

CONSIDERAÇÕES: Reinauguração da Biblioteca Pública do Gama

Olá, leitores da Academia! Tenho umas considerações a fazer sobre um evento que teve no começo do mês, mas a bienal e a semana de provas me atrapalharam e demorei a escrever sobre, mas aqui está:

Flávio falando sobre seu livro para o público.

No dia 04/09 tivemos o grande privilegio de acompanhar a reinauguração da Biblioteca Pública do Gama e o posterior lançamento do livro “O Legado de True Constantine” do nosso parceiro Flávio Vieira. Ao som de um violino, tocado pelo professor de Filosofia Euzébio (que foi meu professor no ensino médio), foi dada início a solenidade de reinauguração da biblioteca. Aproximadamente 130 pessoas estiveram presentes no lançamento do livro, além da administradora regional, Maria Antônia, a coordenadora geral das bibliotecas pública de Brasília, Graça Pimentel, a coordenadora da biblioteca pública do Gama, Vera Lúcia, representantes da biblioteca de Ceilândia, a professora Walda Antunes da UNB, autoridades locais e alunos das escolas públicas CEF 01 e CEF 03. Ficamos muito honrados com o convite e agradecemos a todos pela presença. Foi muito gratificante poder falar sobre nosso trabalho para o público presente.

Eu (Luciano) e a Helkem falando sobre a Academia

Falamos sobre o surgimento da Academia e todo o trabalho que temos feito desde então. Os alunos, um pouco tímidos nos fizeram perguntas sobre o que nos levou a seguir por esse caminho, sobre como é ser blogueiro, como se tornar um e como é o trabalho de divulgação da literatura que realizamos. Foi fantástico!
Agradecemos imensamente ao Flávio pelo convite. São autores como ele que fazem o trabalho dos blogueiros ser valorizado e reconhecido no meio literário. Esperamos voltar mais vezes a palestrar sobre blogs e livros para os alunos. Não só do Gama, mas em todas as escolas :)


Para mais fotos, basta acessar o link: aqui


Até a próxima.
Leia Mais ►

25/09/2015

DIVULGAÇÃO: Série Controlados - Peterson Silva

Olá, leitores!
Hoje temos o prazer de divulgar as obras do autor nacional Peterson Silva! Conheçam abaixo as obras do autor:


Na série Controlados, a magia está em todo lugar. Os magos podem alterar os seus sentimentos, os seus pensamentos ou comandar as suas atitudes. Não se pode confiar em ninguém. No primeiro volume da série, A Aliança dos Castelos Ocultos, Heelum está cada vez mais próxima de uma verdadeira e perigosa transformação com a ascensão de grupos contrários à dominação dos magos. Mas estes não estão dispostos a ver a derrocada de seu império tácito, e um grande poder aproxima-se da liderança dos magos, clamando pela união de um mundo fragmentado. A Aliança dos Castelos Ocultos introduz o leitor a um mundo diferente, mas ao mundo em que vivemos: repleto de poderes invisíveis e da busca onipresente por justiça, liberdade e felicidade. 




Book Trailer:



O autor lançou recentemente o segundo volume de sua série:





Na série Controlados, a magia está em todo lugar. Os magos podem alterar os seus sentimentos, os seus pensamentos ou comandar as suas atitudes. Não se pode confiar em ninguém. No primeiro volume da série, A Aliança dos Castelos Ocultos, Heelum está cada vez mais próxima de uma verdadeira e perigosa transformação com a ascensão de grupos contrários à dominação dos magos. Mas estes não estão dispostos a ver a derrocada de seu império tácito, e um grande poder aproxima-se da liderança dos magos, clamando pela união de um mundo fragmentado. A Aliança dos Castelos Ocultos introduz o leitor a um mundo diferente, mas ao mundo em que vivemos: repleto de poderes invisíveis e da busca onipresente por justiça, liberdade e felicidade. 



Book Trailer:



Redes sociais

Facebook | Site | Twitter | Google +

Sobre o autor:


Peterson Silva, nasceu em 92 e mora na Grande Florianópolis. Estuda Ciências Sociais na UFSC e é escritor. Gosta também de música, filmes, luta medieval, tecnologia, dança, culinária, entre outros. 


Leia Mais ►

22/09/2015

RESENHA - O Vilarejo (Raphael Montes)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: MONTES, Raphael. O Vilarejo. 1ª edição. Rio de Janeiro, Suma de Letras, 2015. Ilustrações por Marcelo Damm. 93 páginas.
Gênero: Terror.
Temas: Morte, mistério, canibalismo, sexo.
Categoria: Literatura Nacional.
Ano de lançamento: 2015















“O velho estava certo. O vilarejo vem sendo dizimado dia após dia. O luto sentou-se à mesa. Ninguém chora os mortos. Não podem desperdiçar energia lamentando a partida dos que não suportaram o frio e a fome. Há duas semanas, Irina, a vizinha da direita, gritou durante toda a madrugada a morte de seu bebê. No dia seguinte, estava morta. Foi burra. Felika não é burra e não se permite sentir pena de ninguém.”
*O vilarejo (pág. 12).

               
Um vilarejo, que de tão pequeno, era chamado apenas de Vilarejo pelos habitantes que nele viviam. Assolado pela neve, pela fome e por eventuais guerras, seus moradores tentavam sobreviver com o pouco que tinham. Mas algo aconteceu e o Vilarejo sumiu do mapa. A única prova de sua existência estava confinada e esquecida em um caderno com ilustrações macabras. Forças malignas assombravam a região, mas mal sabiam os moradores que o mal sempre esteve lá, sempre ao alcance de um pensamento.
Raphael Montes, consagrado autor de terror, mostra em O Vilarejo histórias e relatos de pessoas que tiveram que aprender a conviver com a miséria, o frio, a fome e as perdas que assolavam a região. Em contos curtos, o autor explora o passado e presente dos moradores e molda-os à medida que acontecimentos macabros se desenrolam.
Ainda não tinha lido nada do autor, mas já estava mais que ciente de sua fama, que lhe garantiu a alcunha de “príncipe do horror nacional”. Muitos amigos já leram Suicidas e Dias Perfeitos, as duas obras que antecedem esse livro e que levaram o autor a ser tão conhecido no meio literário. Pelo que me dizem, Raphael Montes é um tanto... sádico. Pude ter uma amostra disso nessa obra.
O Vilarejo é um livro que contém sete pequenos contos. Cada conto representa a manifestação de um dos sete pecados capitais e de seus responsáveis: Asmodeus (Luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba). Todos os contos se passam no mesmo local, o Vilarejo. Em cada um deles somos apresentados a um personagem diferente e uma manifestação de algum pecado. E através deles, somos totalmente envolvidos pela escrita macabra do autor que não poupa detalhes ao narrar suas cenas horripilantes.
Título de cada conto representado por um dos demônios
As histórias são completamente interligadas. Como em um jogo de quebra-cabeças, o autor vai entregando as peças e nós, leitores, vamos montando as partes e aos poucos descobrindo o que aconteceu com o local e seus habitantes. Uma simples descrição em um dos contos pode ser uma informação importante no próximo. Uma fala de um personagem pode complementar a ação de outro no conto anterior. Então, caro leitor, ao ler essa obra, fique atento aos detalhes e às informações que à primeira vista são meros trechos da história.
Fiquei empolgado com a leitura e pretendo em breve ler as outras obras do autor. Mesmo sendo um pequeno livro de 93 páginas, O Vilarejo tem tudo o que amantes de terror gostam: horror, sangue e mortes. 
Ilustração de Marcelo Damm
A obra é narrada em terceira pessoa. A fluidez da narrativa é bem simples e como os contos são curtos, o leitor pode facilmente terminar o livro em apenas um dia. Os personagens são apresentados gradativamente. Apesar de não terem profundidade, por se tratar de contos, eles são bem trabalhados dentro da trama e do pecado que os regem. O autor trabalhou muito bem na construção de identidade de cada um deles, não deixando pontas soltas em suas narrativas. A relação de linha do tempo é truncada. Alguns contos explicam ações do passado, enquanto outros do presente, para que no final, todas as peças do quebra-cabeça montado pelo autor se encaixem. A revisão está ótima, nenhum erro aparente. As ilustrações de Marcelo Damm são uma obra à parte. Cada conto tem as suas que ilustram algumas passagens da narrativa. A capa também está muito bonita e chama atenção pelos detalhes no traço. No início temos o prefácio, onde o autor explica a construção da obra e ao final o posfácio que confesso, me deu um calafrio nas últimas palavras.
Raphael Montes nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Aos vinte anos, impressionou crítica e público com Suicidas, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2013, entre outros. Seu romance Dias Perfeitos, publicado em 2014, teve os direitos de tradução vendidos para treze países, entre eles Estados Unidos, Alemanha e Taiwan. Ambos os livros tiveram s direitos de adaptação vendidos para o cinema. Atualmente, Raphael assina uma coluna mensal no blog da Companhia das Letras e outra no jornal O Globo. Além disso, escreve roteiros para cinema e TV, como a série Espinosa (GNT) e o seriado de terror Supermax (Rede Globo).

Livro devidamente autografado :)

O Vilarejo é o tipo de obra que você lê em uma tarde (ou noite, se quiser dar asas à imaginação). Recomendo para todos os fãs de terror. Raphael Montes mais uma vez mostra a que veio e entrega a seus leitores histórias tétricas que aliadas às incríveis ilustrações do Marcelo Damm, farão os leitores pensarem duas vezes antes de desligar a luz do quarto. Não recomendo a obra a pessoas religiosas e sensíveis ao tema. O autor explora com voracidade as teorias ligadas aos sete pecados capitais. 
Raphael Montes faz jus a sua alcunha de “príncipe do horror nacional” e o vilarejo é mais uma prova de como as palavras podem mexer com a imaginação do leitor. 


 Bibliografia de RAPHAEL MONTES (ordem cronológica):

 Livros:
  • Suicidas – Editora Saraiva (2012);
  • Dias perfeitos – Companhia das Letras (2014);
  • O Vilarejo – Suma de Letras (2015).
Participações:
  • Assassinos S/A – Editora Multifoco (2009) com o conto “A professora”;
  • Beco do crime – Editora Multifoco (2009) com o conto “O amor por Esther”;
  • Demônios VII: Gula – Editora Estronho (2011) com o conto “Banquete”;
  • Demônios VII: Inveja – Editora Estronho (2011) com o conto “As irmãs Valia, Velma e Vonda”;
  • Demônios VII: Luxúria – Editora Estronho (2011) com o conto “A doce Jekaterina”;
  • Clube da Leitura – Editora Flanêur (2012) com os contos “Café” e “Depoimento nº 220.919.20”;
  • Ellery Queen Mystery Magazine – Editora November (2012) com o conto “Statement nº 060.719-67”;
  • Para Copacabana com amor – Editora Oito e Meio (2013) com o conto “Balas de tamarindo”.



Leia Mais ►

21/09/2015

EVENTO: Lançamento do livro "Surpreendente"

Olá, leitores! Hoje é dia de divulgação de evento :)




O que é?

"Convidamos a todos para participar do lançamento da obra "Surpreendente", sexto livro do autor brasiliense Maurício Gomyde, publicado pela editora Intrínseca.

Quando?

Dia 26 de agosto (Sábado), às 15:30

Onde?

Livraria Cultura - Casa Park

Link do evento: aqui.


A Academia Literária DF esta apoiando o evento e fara uma cobertura completa para nossos leitores! Esperamos vocês lá ;)
Leia Mais ►

17/09/2015

Lançamentos Arqueiro | Sextante | Saída de Emergência - Setembro

Olá, leitoreeees! 
Estou aqui para tirar o atraso e mostrar para vocês os lançamentos deste mês maravilhoso. Já sabem quais os livros foram e serão lançados neste mês? Então vamos conferir!

Como sempre começo pelo livro que mais me atraiu. No caso considero este livro instigante e que traz um mistério e ação bem bacana. Além de que este livro esteve em primeiro lugar na lista de mais vendidos do The New York Times, falo de:



Primeiro livro de uma trilogia, Desejo proibido é uma história de amor e redenção, de universos distantes que se aproximam e se fundem numa paixão avassalador. Para quem gosta de romances, recomendadíssimo.


E para alegria das crianças ou das crianças grandes agora vem o colorir da Turma da Mônica.


Da lista de mais vendidos  do The New York Times. Da mesma autora de Julieta, apresento A Irmandade Perdida.

Se procura uma aventura loucamente divertida para seu filho, então aí vem  Salsichas Galácticas.


Agora vamos ao terceiro volume da série de romances de época Os Bedwyns que eu sei que muitos esperavam. Mary Balogh já vendeu mais de 4 milhões de livros no mundo.

Questionamentos da vida respondidas de forma inesperada por Adam Smith através do livro "Como Adam Smith pode mudar sua vida"

"Russ Roberts resgata as ideias de Adam Smith a respeito da moralidade e da natureza humana, e
constata que elas se encaixam perfeitamente no contexto do século XXI. Este livro divertido e
fascinante irá desafiá-lo a se tornar uma versão melhor de si mesmo.”
– Daniel H. Pink, autor de Saber vender é da natureza humana

“Russ Roberts tomou por base o brilhante mas complexo clássico de Adam Smith, Teoria dos
sentimentos morais, para escrever um envolvente e inspirador tratado sobre virtude, amizade e
felicidade. O resultado é um guia incrível para que se leve uma vida melhor.”
– Jonathan Haidt, autor de Uma vida que vale a pena



Allan Percy é autor de Nietzsche para estressados e de outros diversos livros. Seus livros já venderam mais de 600 mil exemplares no Brasil. Agora com livro inspirador "Einstein para distraídos".

Da lista de mais vendidos do The New York Times. Segundo Adam Grant: “Uma visão ousada, inspiradora e prática que vai transformar o futuro do trabalho. Leitura obrigatória para todos os profissionais".


Um plano para você dar um basta na sensação de esgotamento que vem tirando seu sono, sua
energia e sua alegria de viver.


Se você descobre que não funciona, então você não falhou, concorda? A ideia de Eric Chaline é mostrar as invenções que não deram certo. Para você curioso vale a pena.

30 lindas ilustrações para colorir e destacar do Reino Animal. Simplesmente maravilhosos os desenhos.


Por fim, mas não menos importante, o primeiro lugar na lista de mais vendidos do The New York Times e onde muitos declaram: "Não consegui largar este livro". Um suspense memorável e divertido conhecido como:

Além do livro já já teremos sua estréia no cinema, confira a data abaixo:



Gostaram dos lançamentos de Setembro? A espera de algum para sua estante? 
Sua opinião é importante para nós. Deixe-a nos comentários.
Leia Mais ►

14/09/2015

DIVULGAÇÃO: De Volta Para o Futuro - Bastidores

“Para onde vamos, não precisamos de estradas.”
Olá, leitores! Chegamos da bienal e somos recebidos por um email devastador da DarkSide Books sobre sua nova publicação! Confiram abaixo essa lindeza:



O livro oficial sobre os bastidores da Trilogia

O futuro está de volta. Há 30 anos, Marty McFly fazia sua primeira viagem no tempo, a bordo de um DeLorean. Tinha início uma das maiores trilogias da história do cinema. De Volta Para o Futuro é um marco da cultura pop, conquistando gerações de fãs leais a cada reprise na tv ou nos relançamentos em todas as mídias possíveis, do vhs piratão aos modernos vídeos on demand. Para comemorar o 30º aniversário da saga que reinventou a ficção científica, com boas doses de humor e aventura, a DarkSide® Books tem o prazer de anunciar mais um lançamento imperdível para qualquer geek que se preze: De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia.



O livro de Caseen Gaines é o documento mais completo sobre a trilogia De Volta Para o Futuro, além de ser uma verdadeira aula sobre cinema. Para conseguir reunir informações exclusivas, muitas daquelas que nem o mais apaixonado dos fãs conhecia direito, o autor levou vinte meses de pesquisa e conduziu mais de quinhentas horas de entrevistas com equipe técnica, elenco e fãs. O diretor Robert Zemeckis, o produtor e corroteirista, Bob Gale, o insubstituível Christopher Lloyd (Dr. Emmet Brown) e até mesmo Huey Lewis, autor de “Power of Love”, canção-tema do filme de estreia, relembram, com detalhes, como a saga ganhou vida. Críticos de cinema, documentaristas e fãs dedicados também ajudaram a enriquecer o conteúdo do livro.

Minha cara ao ver a capa desse livro.

Entre as muitas curiosidades desvendadas por Caseen Gaines estão os verdadeiros motivos que levaram Zemeckis a demitir Eric Stoltz (Máscaras do Destino, Pulp Fiction), o primeiro ator a interpretar McFly diante das câmeras; por que De Volta Para o Futuro quase se chamou O Homem de Plutão; como Chuck Berry quase sabotou o solo de guitarra de Marty; ou ainda, por que a velocidade necessária para o DeLorean viajar no tempo é de 88 milhas por hora?



De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia chega aos leitores brasileiros no tão esperado dia 21 de outubro de 2015. A data marca a viagem de
McFly, sua namorada Lorraine e Dr. Brown ao século xxi no gancho do primeiro para o segundo filme da trilogia, e será celebrada no mundo inteiro como o Back To The Future Day. Enquanto esperamos que os skates voadores (hoverboards, para os íntimos) estejam disponíveis para o grande público, uma coisa é certa: o futuro já chegou!


Caseen Gaines é um devotado historiador de cultura pop. Sua tese de formando em jornalismo e estudos midiáticos na conceituada Rutgers University explorou relações raciais presentes na série original de filmes Planeta dos Macacos. É professor de inglês do ensino médio e diretor artístico da Hackensack Theatre Company. De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia é seu terceiro livro. Saiba mais em caseengaines.com.


Ficha Técnica

Título | De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia
Autor | Caseen Gaines
Tradutor | Alexandre Matias; Mariana Moreira Matias
Editora | DarkSide®
Edição |
Idioma | Português
Especificações | 248 páginas, capa dura
Dimensões | 16 x 23 cm
ISBN | 978-85-66636-76-5
Lançamento | Outubro de 2015


Em breve, muito em breve traremos mais novidades sobre o livro. Vejo vocês no futuro ;)

Leia Mais ►

08/09/2015

RESENHA - Zoo (James Patterson)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: PATTERSON, James. LEDWIDGE, Michael. Zoo. 1ª edição. São Paulo, Editora Arqueiro, 2015. Tradução de Cláudio Carina. 288 páginas.
Gênero: Suspense.
Temas: Animais, Apocalipse, Morte.
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Norte-Americana.
Ano de lançamento: 2012 nos Estados Unidos; 2015 no Brasil.














“CAH: Conflito entre Animais e Humanos. Essa era a teoria em que eu estava trabalhando.
Basicamente, eu acreditava que o comportamento animal estava mudando no mundo todo. Não para melhor. Nem um pouco. Em todos os continentes, cada vez mais espécies começavam a mostrar comportamentos hiperagressivos em relação a um animal específico.
O inimigo éramos nós. Eu e você. Gente. O homem, cara.”
*Zoo (pág. 20).

Algo está acontecendo na natureza.
Inexplicavelmente, animais de muitas espécies passam a caçar e matar humanos de forma brutal. Começou com os selvagens e ferozes, como os leões e ursos. Até aí, as pessoas eram céticas quanto ao problema, já que todo ano pessoas morrem vítimas de animais selvagens. Porém, o que parecia ser uma doença logo se espalha e afeta os bichos de estimação. Cachorros, gatos, camundongos e outros animais domésticos mostram garras e dentes e as vítimas se multiplicam.
Apavorado com o fenômeno, o jovem biólogo Jackson Oz assiste à escalada dos acontecimentos. Ele já prevê esse cenário apavorante há anos, mas sempre foi desacreditado por todos à sua volta. Depois de quase morrer em uma emboscada de leões em Botsuana, na África, Oz parte em uma jornada desesperada para provar sua teoria. Com a ajuda da ecologista Chloe Tousignant, Oz trabalha contra o tempo para encontrar a causa do problema e convencer os líderes mundiais de que a ameaça é real e que se não for controlada a tempo, pode levar a civilização humana à ruína.
Em breve não restará nenhum esconderijo para os humanos...
James Patterson apresenta aos leitores a obra Zoo, que conta a história de um jovem biólogo que tenta provar a todos que o reinado dos humanos sobre a terra pode estar com os dias contatos. O livro já começa tenso, mostrando o ataque de dois leões de um zoológico a um funcionário, que foi devorado, e a subsequente fuga dos felinos. Em seguida somos apresentados ao personagem principal da trama: Jackson Oz, ou apenas Oz. Um biólogo que largou uma carreira promissora para se dedicar quase que exclusivamente a sua teoria de que o comportamento dos animais estava mudando. E mudando para pior. Depois de receber uma ligação de um amigo que trabalhava em uma reserva na África, Oz parte em busca de provas para a sua teoria e encontra lá não só as evidências de que precisava, mas também sua maior aliada, a bióloga Chloe Tousignant. Juntos, tentam desvendar a causa do fenômeno e principalmente buscar uma solução.
Devo confessar aqui que nunca li nada do autor, e isso é algo que será corrigido com o tempo. Fiquei muito impressionado com a escrita ágil e direta dele. Apesar de ter gostado da sinopse, ainda estava com o pé atrás com o livro, não tinha criado muita expectativa. Mas isso caiu por terra quando cheguei na parte em que Oz se aventura na África. Não pude deixar de associar a passagem (e a capa do livro) ao filme chamado The Ghost and the Darkness (A Sombra e a Escuridão, no Brasil). Quem não viu, veja. É um ótimo filme. Eu sempre fui fã de histórias que envolviam animais. Nada de “Winter, o Golfinho”. Estou mais para “Orca, a baleia assassina” (sangue no olho, eu sei). Já assisti vários, de grandes produções cinematográficas como Jurassic Park e Tubarão aos trashs trash sci-fi (não, não vi Sharknado, seria pedir demais), mas nunca tinha lido nada que tivesse como foco animais (Jurassic Park está na fila) e um amigo me recomendou a obra “A Revolução dos Bichos”, de George Orwell, por ter uma pegada parecida com o que eu li em Zoo. Então, já podem imaginar o quanto fiquei empolgado quando um bando de 20 leões machos se juntam para promover uma verdadeira chacina nas selvas africanas.
Espere, você disse 20 leões, todos machos?
É isso ai. Fazendo uma pesquisa rápida, qualquer um vai saber que bandos da espécie abrigam dois, três, raramente quatro machos. Mas vinte?!?! E caçando?!?!
O problema não para por aí. Você pode até pensar: Ah, se for só os animais selvagens tudo bem. Estamos na “selva de pedra”, aqui eles não entram. Muitos pensaram assim até começarem a surgir relatos de animais domésticos como cães e gatos atacando seus donos. E quando eu digo ataque, não é uma “mordidinha aqui, outra ali”. É ataque de abrir estômagos e arrancar vísceras pra fora. Ok, cachorros e gatos, vamos isolá-los. Aí vêm os ratos, camundongos e outros animais menores...

"- Meu Deus, está ficando tão ruim assim por aí, tenente? – perguntei, gesticulando para a máquina de guerra que estávamos prestes a embarcar.
Durkin pegou nossas malas como se fosse um carregador de hotel e nos conduziu para o Humvee.
- Manhattan está evacuada além da Rua 96. Estamos começando com os hospitais e asilos.
- O quê? Por quê?
- Ratos."
Zoo, pág 200


                A obra tem uma narrativa muito envolvente, que prende e nos faz refletir “E se isso acontecesse mesmo?”. A cada novo relato eu ficava me perguntando: “Qual vai ser o próximo ataque?”. E ainda por cima, o autor usa de um recurso que eu achei “maldade”: os capítulos são muito curtos. O maior, creio eu, tinha cinco páginas (não sei se é assim nos outros livros do autor). Sabe aquele efeito do “só mais um capítulo”?. Foi muito mais devastador nesse livro, pois eu ficava com aquela sensação de que eu tinha lido pouco, vou ler só mais um pouco. E quando eu vi... acabou. É como diz a contracapa: “as páginas viram sozinhas”.
                O que eu gostei muito foi o uso da narrativa em terceira pessoa para dar vez aos animais. Há algumas passagens na história totalmente dedicadas a eles, onde o autor narra o acontecimento sob a perspectiva do animal. Isso deu ainda mais dinamismo na narrativa e em certo ponto até mesmo nos faz refletir sobre até que ponto os animais (principalmente os domésticos) podem nutrir sentimentos por nós na tentativa de bloquear seus instintos primitivos.
                Minha única crítica (se é que posso chamar isso de crítica) é que o autor não aproveitou o gancho para mostrar com mais riqueza de detalhes como a humanidade estava se comportando quando os animais enlouqueceram de vez. Apenas os personagens centrais e alguns secundários ganharam voz. Seria interessante ver uma narrativa mais aprofundada no que concerne ao fim do mundo. Há apenas algumas menções a protestos, vandalismos, mesquinhez e mais mortes. Mas nada muito detalhado.
                A obra é dividida entre narrador em primeira e terceira pessoa. Temos a ótica de Oz (em primeira pessoa); e a ótica de personagens secundários e também dos animais (em terceira pessoa). A narrativa é toda linear e no meio da história temos um salto de cinco anos para o futuro. A fluidez da narrativa é tranquila, em parte graças à escrita ágil do autor e ao fato dos capítulos serem bem curtos, detalhe que não atrapalha em nada a continuidade da leitura. A revisão está ótima. Um errinho aqui, outro ali, mas foram poucos que eu vi e nenhum grave. A formatação é bem caprichada. O livro é dividido em seis partes: Prólogo; Livro 1: o começo do fim; Livro 2: África; Livro 3: Lar, doce lar; Livro 4: Os Nativos estão inquietos; e Epílogo. Ao final, são apresentados outros títulos do autor. A capa é maravilhosa, com o título em relevo. O leão da capa traduz com perfeição todo o suspense que a obra passa ao leitor.
James Patterson é hoje um dos autores mais vendidos no mundo inteiro. Seu livro de estréia The Thomas Berrynan Number ganhou o Edgar Award de melhor romance policial. Foi publicado em 1976, depois de recusado por mais de 20 editores. O autor iniciou então uma série de best-sellers, incluindo os seis livros com o personagem Alex Cross, um detetive-psicólogo. Antes de se tornar um escritor em tempo integral, Patterson trabalhou na área de Publicidade por muitos anos. Foi presidente da J. Walter Thompson, North America, de 1990 a 1996. Estudou no Manhattan College e depois na Vanderbilt University. Vive atualmente em Palm Beach, Flórida, com a mulher e o filho.
          A obra foi uma grata surpresa. Fiquei muito impressionado com a escrita do autor e recomendo para todos os fãs do autor essa obra. Ainda para aqueles que adoram adaptações, uma dica: a CBS adaptou Zoo para uma série que em breve chegará ao público via Netflix! Recomendo também para quem gosta do tema "fim do mundo". Sei que o tema está bastante batido, mas imaginar o fim da civilização sendo protagonizado pelo seu cachorro ou gato de estimação é um pouco inusitado. Já para quem tem coração fraco... esse livro pode ser um tanto perturbador. Imaginar que a qualquer momento seu pet pode se virar contra você pode ser um pouco tenso. Fica o alerta.
                James Patterson faz jus a sua reputação e entrega aos leitores um livro ágil e instigante, que nos faz refletir e questionar: “E se?”.



Bibliografia de James Patterson:

Obs: Sendo o autor (literalmente falando) uma máquina de publicar livros, vamos colocar o link do skoob do autor, pois se colocarmos aqui, a lista de livros publicados por ele ficaria maior que a resenha ¯\_(ツ)_/¯

Link: Skoob.


Leia Mais ►

07/09/2015

Projeto Alien Viajante



Olá, leitores da Academia!
Recentemente fomos convidados a participar de um projeto muito legal chamado "Alien Viajante". O projeto esta sendo feito em parceria com outros cinco blogs e o autor Chaiene Santos! Vamos saber mais sobre o projeto?

Como vai funcionar:

Cada blogueiro escolheu um livro do autor. Os integrantes foram separados em duplas. O livro que eu escolhi, foi encaminhado para a minha dupla, no caso a Thais Lima, do blog thaysmdelima. E o dela veio pra mim. Eu vou ler o livro, resenhar e a medida que for avançando na leitura, vou deixando anotações (mas sem spoiler), marcando partes (farei com post it) e deixando uma dedicatória. Depois da leitura, vou dar o livro para ela e receber o dela. A mesma coisa com as outras duplas participantes. Legal, não é 

Os Blogueiros participantes são:

Bruna Vieira
Canal do Youtube: De Cultura a Beleza

Daya Maciel

Lorena Monteiro
Canal do Youtube: Yes, She Speaks

Thays Lima
Blog: Thais M. de Lima             
Canal do Youtube: Thais M. de Lima

Manoel


Sobre o autor:

Chaiene Santos mora na região serrana do Estado do Rio de Janeiro. É autor dos livros Os Filhos do Tempo 1 (Trilogia Os Filhos do Tempo), Os Filhos do Tempo livro 2 – A Origem da Vida, Os Filhos do Tempo livro 3 – A Batalha dos Deuses, ( também traduzidos para o inglês: The Children of Time 1, The Origin of Life - The Children of Time 2, The Battle of Gods - The Children of Time 3); Poesias e Poemas – Amar, Curtir & Compartilhar, O Bisturi de Ouro e Palavras Perdidas de um Anjo.

                                                          Site Fanpage | Blog | Youtube




Em breve sai no blog a resenha do livro que escolhemos: "Filhos do Tempo". Aguardem ;)
Leia Mais ►