Tecnologia do Blogger.

30/11/2016

Robson Gundim lança obra de terror na Amazon

Olá, queridos leitores da Academia! Como vão? Hoje é dia de divulgação de obra nacional! É de conhecimento de muitos que acompanham o blog que eu gosto de uma boa história de terror (nosso mês especial de Halloween está ai para provar) e fico muito contente quando um autor aposta no gênero. E eis que surge a notícia que o autor e parceiro do blog Robson Gundim acaba de lançar no site da Amazon um livro do gênero! 



"Examinaram a janela, de onde pareceu (exatamente, pareceu), passar alguma criatura negra e disforme, horrendamente estranha para quem via, fazendo perpetuar o seu audível sacolejo de asas, que não escapou dos olhos apavorados de Lívia..."


Sobre a obra:

Na primavera de 1978, um misterioso ataque assolou os habitantes de Paraíso Florestal, uma pequena cidade localizada em uma área remota da Bahia. Trinta e sete anos depois, um terrível incidente engole a pequena cidade, obrigando as autoridades a enviarem uma equipe de soldados para investigar o ocorrido.
Desde sua chegada à pacata cidade, David e Lívia deparam-se uma calma sepulcral; ninguém é encontrado nas ruas, nos becos ou nas casas. Na escolinha, os cadernos abertos datam o dia atual. No hotel, um barulho no andar superior denuncia a presença de alguém...
Tomados pela sensação de ameaça iminente, os soldados refugiam-se em uma antiga mansão, desconhecendo o verdadeiro horror que varreu a pequena Paraíso. Dentro daquelas paredes, oculto pelas trevas, o maior e mais escuro de todos os medos os espera.

Alguém captou a referência na capa? Sim! O auto se baseou bastante nos contos de terror do mito HP Lovecraft que deu vida a entidades malignas como o Cthulhu (a referência da capa). Além dele, o autor bebe da fonte de outras lendas como Stephen King, Dean Koontz e Edgar Alan Poe! E essa mansão ai? Não lembra Resident Evil? Quem não lembra da mansão maldita onde tomamos trezentos sustos? E o melhor de tudo isso é que a obra é ambientada em território nacional. Com todas essas coisas, está esperando o que para comprar seu exemplar? 


Dados técnicos:


Autor: Robson Gundim
Livro: Enquanto Eles não Vêm
Gênero: Terror, Suspense
Formato: Ebook da plataforma Amazon (versão Kindle)
Observações: Livro amplamente ilustrado, com artes tradicionais feitos pelo próprio autor.
Link para compra: Amazon


Sobre o autor:

Robson Gundim é natural de Gandu, interior da Bahia. Reside em Vitória da Conquista. É estudante universitário de cinema, desenhista e escritor, e assumidamente apaixonado por livros lovecraftianos e filmes tarantinescos. Autor da série de livros Entre o céu e o mar e Sacanas do Asfalto, também participou das antologias O último dia antes do fim do Mundo, The King e Amores Impossíveis.

Redes sociais:




Galeria de Imagens:









Clique para aumentar o tamanho


É ai, o que acharam? Estou ansioso para por as mãos no meu!

Até a próxima ;)


Top comentarista n°14: Clique para participar


Leia Mais ►

29/11/2016

RESENHA – Imperfeitos (Cecelia Ahern)


Cecelia AhernFicha técnica:
Referência bibliográfica: AHERN, Cecelia. Imperfeitos – série Flawed. 1ª edição. São Paulo, Novo Conceito, 2016. Tradução Paulo Polzonoff Junior. 320 p.
Gênero: Romance, ficção diatópica, young adult (YA)
Temas: julgamento, tribunal
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura britânica
Ano de lançamento: 2016 na Grã Bretanha e 2016 no Brasil
Série: Imperfeitos (Livro 1)










“Mas entendo agora por que as pessoas leem, por que se prendem na vida de outra pessoa. Às vezes leio uma frase e ela me faz pular, me abala, porque é algo que senti recentemente mas nunca disse em voz alta. Quero entrar na página e dizer aos personagens que os entendo, que eles não estão sozinhos, que eu não estou sozinha, que está tudo bem em se sentir assim. E então o sinal, o livro é fechado e volto à realidade.”
Imperfeitos – Livro 1. (posição 2.245 – 53% – de 4.252– E-book via Amazon)

 Celestine North vive em uma sociedade que rejeita a imperfeição. Todos aqueles que praticam algum ato julgado como errado são marcados para sempre, excluídos da comunidade e considerados seres não merecedores de compaixão.  Por isso, Celestine procura viver uma vida perfeita. Ela é um exemplo de filha e de irmã, é uma aluna excepcional, benquista por todos do colégio, além do mais, ela namora Art Crevan, filho da autoridade máxima da cidade, o juiz Crevan.
Em meio a essa vida perfeita, Celestine se encontra em uma situação incomum, que a faz tomar uma decisão instintiva. Ela faz uma escolha que pode mudar o futuro dela e das pessoas a seu redor. Ela pode ser presa? Ela pode ser marcada? Ela poderá se tornar, do dia para a noite Imperfeita?
Queridos leitores, estou até agora pasma com esse livro. Amei cada pedacinho dele. Primeiro, preciso confessar uma coisa. Resolvi lê-lo por três motivos: gosto de distopias, gostei da sinopse e o livro tem uma boa classificação no Skoob (rede social que avalia livros). Confesso que não me atentei muito a quem era a autora do livro, e ainda bem. Pois, depois de ter lido, vi que ela havia escrito os livros “Simplesmente Acontece”, “P.S. Eu Te Amo”, entre outros. Admito que são livros que não fazem muito o gênero literário que eu gosto de ler. Agora, imaginem se eu não tivesse dado uma oportunidade para essa belezinha por conta dos outros livros da autora? Nunca poderia ter vivenciado algo tão magnífico. Ok, parei com o drama (rsrsr), vamos para a resenha.
Na história, vamos conhecer a Celestine North, que vive em uma sociedade que não admite a imperfeição. No seu país, bem antes dela nascer, houve uma grande recessão. Bancos faliram, o governo entrou em colapso, a economia declinou, o desemprego e a emigração dispararam. Tudo isso aconteceu por culpa dos governantes daquela época, afinal eles deveriam saber que isso poderia acontecer. Então, por conta das decisões erradas deles que o país entrou em crise. Sendo assim, foram considerados pessoas más, por “destruírem o país”, por isso, tinham que pagar pelos seus erros. Desta forma, os governantes da época foram considerados moralmente imperfeitos.
Assim sendo, decidiu-se implantar um novo regime de governo, em que qualquer pessoa que fizesse alguma coisa errada era imediatamente punida. Elas não eram criminosas, mas eram pessoas que tomaram decisões erradas. Por exemplo, um marido que trai sua esposa será julgado como imperfeito, e mesmo que a esposa o perdoasse, a sociedade não, e ele deverá pagar pelo seu erro.
Os imperfeitos são julgados por um tribunal específico. Quando considerados imperfeitos, suas imperfeições eram pronunciadas publicamente e sua pele era marcada com um “I”. Além disso, elas devem viver com regras diferentes das outras pessoas “perfeitas”, sendo sempre humilhadas.
O chefe do tribunal é o juiz Bosco Crevan. Um dos homens mais temidos por todos os cidadãos, mas não para a Celestine, já que ele era o pai do seu namorado, Art. Como ela sempre admirou as atividades do tribunal, então se tornou uma das defensoras do sistema de “perfeição” e, por consequência, fã do juiz.
Porém, após uma situação inusitada ela tomou uma decisão ruim. Por conta dessa decisão, ela deveria ser julgada pelo tribunal. Porém, por ser a namorada do Art, filho do chefe do tribunal, a mídia ficou atrás dela. O seu rosto estampava todos os jornais.
O juiz tentou trapacear no julgamento, e disse que se ela mentisse que não tinha feito o ato em questão, então não seria marcada imperfeita. Mas, na cabeça dela, para ser considerada perfeita, deveria fazer algo imperfeito, que era mentir. Então qualquer decisão que ela tomasse poderia causar algum ato de rebelião no país. E isso poderia deixar o sistema muito fraco, coisa que o Crevan não queria de jeito nenhum.
Enquanto a decisão do julgamento dela não saía, ela ficou em uma prisão, que era toda em vidro, mas à prova de som. Nessa prisão ela conheceu o Carrick Vane, um rapaz que também seria julgado como imperfeito. Eles nunca trocaram uma palavra, entretanto, a Celestine sentiu uma grande conexão com ele, haja vista que ele estava passando pela mesma situação que ela.
Leitores, acho que já disse muitas coisas, então vou parar por aqui. Peço que leiam. Vale muito a pena. Percebi que quando estava na metade do livro eu tentei ler mais devagar, para evitar que o livro acabasse logo, de preferência nunca (rsrs). Quando ele acabou fiquei com um sentimento de muita raiva, porque a sequência ainda não foi publicada aqui no Brasil. Esse é um livro que daria um ótimo filme. Adoraria conhecer a Celestine e todos os outros personagens secundários. Amei cada um, principalmente os pais dela.
A autora do livro, Cecelia Ahern, é irlandesa e formou-se em Jornalismo e Meios de Comunicação. Aos 21 anos escreveu seu primeiro romance, P.S. Eu te Amo, que se tornou best-seller imediatamente e foi adaptado para o cinema — assim como Simplesmente Acontece, A Lista, O Presente, O Livro do Amanhã e A Vez da Minha Vida também são best-sellers em todo o mundo. As obras de Cecelia Ahern são publicadas em 46 países e já venderam, ao todo, mais de 13 milhões de cópias. Ela vive em Dublin com sua família
O livro possui 66 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica em primeira pessoa, pelo ponto de vista da Celestine. Como os capítulos são curtos e a autora tem uma ótima escrita, a leitura fluiu que foi uma beleza.
Infelizmente, ainda não estão disponíveis os outros títulos aqui no Brasil. Agora é torcer para andar bem rápida essa publicação.
Cecelia Ahern

Bibliografia de Cecelia Ahern (ordem cronológica):


Livros:
  • P.S. Eu te amo – Novo Conceito (2012)
  • A Vez da Minha Vida – Novo Conceito (2012)
  • O Livro do Amanhã – Novo Conceito (2013)
  • O Presente – Novo Conceito (2013)
  • Simplesmente Acontece – Novo Conceito (2014)
  • A Lista – Novo Conceito (2015)
  • Como Se Apaixonar – Novo Conceito (2015)
  • O Ano em que Te Conheci – Novo Conceito (2016)
  • Imperfeitos – Novo Conceito (2016)

Top comentarista n°13: Clique para participar

Leia Mais ►

28/11/2016

Pesquisa de opinião: Eventos Literários

Olá, queridos leitores da Academia! O ano está acabando! Quem ai já está com saudades? Quem ai deseja que acabe logo? 2016 para nós, da Academia, foi um ano bem corrido e porque não, memorável. Foram tantos eventos, tantas histórias, tantos acontecimentos... Teve de tudo um pouco e sabemos que em 2017 terá muito mais! Mas enfim... deixando a nostalgia e a ansiedade pelo próximo ano de lado um pouco... estamos aqui para pedir um favor a vocês. 



Estamos realizando uma pesquisa de opinião sobre os eventos que a Academia Literária DF e seus parceiros realizaram durante o ano de 2016. Se você esteve presente em algum, por favor, gostaríamos de saber sua opinião sobre nossas atividades literárias ao longo do ano. Desde já somos gratos por todo o apoio que cada um de vocês nos deu. Obrigadinho ^_^



Caso queiram abrir em uma janela separada, clique no link abaixo



Tem mais alguma consideração? Deixa ai nos comentários ;)


Leia Mais ►

26/11/2016

RESENHA – Ligeiramente Seduzidos – (Mary Balogh)

Mary Balogh
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: BALOGH, Mary. Ligeiramente Seduzidos – série “Os Bedwyns”. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2016. 288 páginas. Tradução: Ana Resende.
Gênero: Romance histórico
Temas: vingança, guerra
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Canadense
Ano de lançamento: 2004 no Canadá e 2016 no Brasil
Série: Ligeiramente casados (Livro 1), Ligeiramente maliciosos (Livro 2), Ligeiramente escandalosos (Livro 3), Ligeiramente seduzidos (Livro 4), Ligeiramente pecaminosos (Livro 5) e Ligeiramente perigosos (Livro 6).


“Amar é gostar, ser companheiro, respeitar e confiar. O amor não domina ou tenta possuir, mas se fortalece com compromisso puro, liberdade mútua.”.
Ligeiramente Seduzidos – Livro 4. (posição 1.284  – 24% – de 5.245 páginas - E-book via Amazon)

Jovem, estonteante e nascida em berço de ouro. É apenas isso que Gervase Ashford, o conde de Rosthorn, enxerga em Morgan Bedwyn quando a conhece num dos bailes da alta sociedade inglesa em Bruxelas.  Em circunstâncias normais, ele não olharia para ela duas vezes – prefere mulheres mais velhas e experientes. Porém, ao saber que Morgan é irmã de Wulfric Bedwyn, a quem Gervase culpa pelos nove anos que passou longe da Inglaterra, decide que ela é o instrumento perfeito para satisfazer seu desejo de vingança.
Mas Morgan, apesar de jovem e inocente, também é independente e voluntariosa e, assim que entende as intenções do conde, se prepara para virar o jogo e deixar claro que não se deixará manipular por ninguém.
Queridos leitores, se vocês não leram os três primeiros livros da série “Os Bedwyns”, não tem problema, pois em “Ligeiramente Seduzidos” a história é independente das outras, tendo em vista que conta a história da irmã caçula, Lady Morgan Bedwyn. Todavia, como um bom leitor que eu sei que você é, provavelmente lerá a série desde o início, não é mesmo?
Adorei conhecer a Morgan.  Ela é a mais nova dos seis irmãos. Apesar da pouca idade, 18 anos, ela se mostrou bem madura, além de corajosa, inteligente e muito orgulhosa, uma das principais características dos Bedwyn.
Nossa mocinha havia sido apresentada recentemente à sociedade. Ela chamava muita atenção por onde passava, por conta da sua beleza.
Como a Inglaterra estava em uma batalha política com a França, ela resolveu acompanhar a amiga Lady Rosamond Caddick – que era irmã do visconde de Gordon, capitão de exército – à Bélgica, pois a família Caddick iria acompanhar o filho, tendo em vista que os soldados e oficiais ingleses estavam concentrados lá, já que existia a possibilidade da França iniciar o ataque por ali. Como o capitão Gordon fazia a corte à Morgan, ela quis ir com eles, não só para ficar mais tempo com ele, mas também para ver de perto como seriam os preparativos para uma guerra.
Com a proximidade dela com o capitão, a fofoca que rodava era que em breve seria anunciado um noivado entre eles. Porém, ao longo dos dias, a nossa mocinha percebeu que o Gordon era muito egocêntrico, e isso a cansava muito quando parava para conversar com ele.
Em um baile, já na Bélgica, ela conheceu o conde de Rosthorn, Gervase Ashford. O conde tinha um grande ódio do irmão dela, o duque de Bewcastle, Wolfric Bedwyn, por causa de um desentendimento que eles tiveram há nove anos. Por conta disso, o Gervase teve que ir embora da Inglaterra.
Então, nada mais justo que ele se vingasse do duque. Nesse baile, ele descobriu que a Morgan, além de ser uma das mais belas e jovens presentes no baile, era a irmã mais nova do seu desafeto. Sendo assim, ele decidiu que iria usá-la para atingir o Wolfric.  E para isso ele tinha como meta comprometer a reputação dela.
O Gervase tinha 30 anos, ou seja, doze anos mais velho que a Morgan. Por causa do tempo que ficou afastado, ele se tornou um libertino.
Com o decorrer dos dias, eles foram se conhecendo melhor. Até que os franceses invadiram o local em que eles estavam. Muitos feridos, desde soldados a oficiais, precisaram de apoio físico e psicológico. Ela, como uma dama da sociedade, não poderia ajudar os doentes. Mas, como ela era diferente das demais, se juntou ao grupo de outras damas para ajudar os feridos.
A partir daí, depois dela ignorar os ditames da época, o conde passou a enxergá-la não mais como a irmã mais nova do duque, mas como uma jovem mulher íntegra e com muita força de vontade.
O irmão da Morgan, Alleyne, foi com ela para a Bélgica, com o objetivo de ajudar o embaixador do seu país nas tratativas da guerra. O problema foi que ele desapareceu ao levar um recado para o campo de batalha. Por causa disso, o Gervase, para ajudá-la, passou a procurar pelo irmão. E isso fez com que eles se aproximassem ainda mais.
Adorei essa trama, principalmente por envolver guerra. Mais uma vez a família foi essencial no decorrer da história. A autora nos mostra como é importante contarmos com o pai dos familiares. Além disso, uma das questões que poderiam chocar, à primeira vista, seria a diferença de idade entre eles, mas a Mary Balogh construiu os personagens de uma forma que a diferença de idade não fez diferença.
Tenho muita vontade de conhecer o Wolfric, até para entender melhor como ele adquiriu essa personalidade fria, mas a história dele só será contada no sexto livro da série. O próximo contará a história do Alleyne, que acho que será interessante, por conta do que acontece com ele na guerra. Obviamente não contarei aqui, para não estragar a surpresa (rsrsrs).
A Mary Balogh nasceu e foi criada no País de Gales. Ainda jovem, se mudou para o Canadá, onde planejava passar dois anos trabalhando como professora. Porém ela se apaixonou, casou e criou raízes definitivas do outro lado do Atlântico. Sempre sonhou ser escritora e tinha certeza de que, no dia em que escrevesse um livro, ele seria ambientado na Inglaterra do Período da Regência. Quando sua filha mais nova tinha 6 anos, Mary finalmente encontrou tempo para se dedicar ao antigo sonho. Depois de três meses escrevendo na mesa da cozinha, a primeira versão de sua obra de estreia estava pronta. Publicada em 1985, deu a Mary o prêmio da Romantic Times de autora revelação na categoria Período da Regência. Em 1988, depois de vinte anos de magistério, ela passou a se dedicar apenas aos livros.
O livro possui 23 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica. Ele foi escrito em primeira pessoa, com ponto de vista alternado entre o Gervase e a Morgan, que nos permite ver diferentes pontos de vista dos personagens.
O próximo livro da série, “Ligeiramente Pecaminosos”, já foi publicado aqui no Brasil, pela editora Arqueiro. Então, daqui a alguns dias vocês verão a resenha por aqui.
Estou bem ansiosa para ver o que a autora vai aprontar com o Alleyne.

Bibliografia da Mary Balogh (ordem cronológica):
Ligeiramente seduzidos
Livros:
     Ligeiramente casados – Arqueiro (2014)
     Ligeiramente maliciosos – Arqueiro (2015)
     Ligeiramente escandalosos - Arqueiro (2015)
     Ligeiramente seduzidos – Arqueiro (2016)
     Ligeiramente pecaminosos – Arqueiro (2016)
     Ligeiramente perigosos – sem previsão para ser publicado no Brasil
     Um Verão Inesquecível – não publicado no Brasil
     Uma Noite de Amor – não publicado no Brasil


Top comentarista n°12: Clique para participar

Leia Mais ►

22/11/2016

Horóscopo dos livros: Sagitário

sagitário

Olá, amigos leitores,tudo bem com vocês?

Dando continuidade ao nosso post dos personagens literários ligados aos signos dos zodíacos, este mês vamos falar do signo de sagitário. Sendo assim, de hoje até o dia 21 de dezembro o sol estará nesta casa.

Temos alguma sagitariana (o) por aqui? Vamos então para a previsão do signo?


Caso queira ler o que os astros disseram para os signos de gêmeos, câncer, leão, virgem, libra e escorpião, basta clicar nos respectivos signos. ;)


Sagitário (22 de novembro - 21 de dezembro) - Signo do Fogo


De acordo com o site Tão Feminino, descrevemos abaixo o perfil da sagitariana:

O símbolo de Sagitário, o centauro de quatro patas fincadas no chão, olha firmemente para o céu enquanto mira seu arco e flecha em direção às estrelas. É uma bela imagem que representa estes seres entusiastas, generosos e confiantes: as sagitarianas têm um fogo que nunca se apaga e sempre estão em busca de seus sonhos.

Características da pessoa deste signo: Otimista, sincera, corajosa, bem humorada, exagerada, despreocupada, impaciente, confiante, generosa...

Tracey Garvis Graves
Personagem feminina: Anna Emerson do livro “Na Ilha”, da autora Tracey Garvis Graves. 

Sinopse: Anna Emerson é uma professora de inglês de 30 anos desesperada por aventura. Cansada do inverno rigoroso de Chicago e de seu relacionamento que não evolui, ela agarra a oportunidade de passar o verão em uma ilha tropical dando aulas particulares para um adolescente. T.J. Callahan não quer ir a lugar algum. Aos 16 anos e com um câncer em remissão, tudo o que ele quer é uma vida normal de novo. Mas seus pais insistem em que ele passe o verão nas Maldivas colocando em dia as aulas que perdeu na escola. Anna e T.J. embarcam rumo à casa de veraneio dos Callahan e, enquanto sobrevoam as 1.200 ilhas das Maldivas, o impensável acontece. O avião cai nas águas infestadas de tubarão do arquipélago. Eles conseguem chegar a uma praia, mas logo descobrem que estão presos em uma ilha desabitada. De início, tudo o que importa é sobreviver. Mas, à medida que os dias se tornam semanas, e então meses, Anna começa a se perguntar se seu maior desafio não será ter de conviver com um garoto que aos poucos torna-se homem.

Breve avaliação do livro: Ela é uma personagem muito corajosa, não sei se conseguiria passar por tudo o que ela passou. A sua confiança é que consegue fazer com que os dois consigam sobreviver na ilha. É um livro lindo que fala muito de amor e companheirismo.

J.A. Redmerski
Personagem masculino: Andrew Parrish do livro “Entre O Agora e O Nunca”, da autora J.A. Redmerski. 

Sinopse: Camryn Bennett é uma jovem de 20 anos que desistiu do amor desde que Ian, seu namorado, morreu num acidente de carro há um ano. Sua melhor amiga, Natalie, é a única capaz de animá-la. Mas a relação entre as duas fica abalada quando o namorado de Nat revela à Camryn que está apaixonado por ela. Perdida, sem saber o que fazer, Camryn vai para rodoviária e pega o primeiro ônibus interestadual, sem se importar com o destino.Com uma carteira, um celular e uma pequena bolsa com alguns itens indispensáveis, Camryn embarca para Idaho. Mas o que ela não esperava era conhecer Andrew Parrish, um jovem sedutor e misterioso, a caminho para visitar o pai, que está morrendo de câncer. Andrew se aproxima da companheira de viagem, primeiro para protegê-la, mas logo uma conexão irresistível se forma entre os dois.
Camryn tenta lutar contra o sentimento, já que jurou nunca mais se apaixonar desde a morte de Ian. Andrew também tenta resistir, motivado pelos próprios segredos. Narrado em capítulos que alternam as vozes de Andrew e Camryn, Entre O Agora e O Nunca é uma história de amor e sexo, na qual os personagens testam seus limites, exploram seus desejos e buscam o caminho que os levará à felicidade.

Breve avaliação do livro: Ele é bem humorado, despreocupado e confiante. O que mais gostei no Andrew foi que ele se aproximou da Camryn, em um primeiro momento, para protegê-la. Mas, depois, foi perceptível a conexão entre os dois.



É isso. Até a próxima, queridos leitores!

Astróloga literária (rsrsrs) Gabi Crivellente


Top comentarista n°11: Clique para participar


Leia Mais ►

RESENHA – Para Sir Phillip, Com Amor (Julia Quinn)


Julia Quinn
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: QUINN, Julia. Para Sir Phillip, Com Amor – série “Os Bridgertons”. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2015. 288 páginas. Tradução: Viviane Diniz.
Gênero: Romance histórico
Temas: suicídio, filhos órfãos
Categoria: Literatura Estrangeira
Ano de lançamento: 2015 no Brasil
Série: O Duque e Eu (Livro 1), O Visconde que me amava (Livro 2), e Um perfeito cavalheiro (Livro 3), Os segredos de Colin Bridgerton (Livro 4), Para Sir Phillip, Com Amor (Livro 5), O Conde Enfeitiçado (Livro 6), Um Beijo Inesquecível (Livro 7), A Caminho do Altar (Livro 8) e E Viveram Felizes para Sempre (Livro 9).


“Sempre adorei tudo em você, é claro, mas por algum motivo sempre achei sua impaciência especialmente encantadora. Nunca era porque você queria mais, mas porque queria tudo.”.
Para Sir Phillip, Com Amor – Livro 5. (posição 3.126  – 69% – de 4.540 páginas - E-book via Amazon)

Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante. Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências.
Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder. Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos.
Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar?
Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro.
Leitores, preciso confessar uma coisa para vocês, mas, por favor, não contem a ninguém, tudo bem? Pois é segredo (rsrrs). A série “Bridgerton” é uma das minhas favoritas, no quesito romance de época. Ela é composta por oito livros, cada um com uma história diferente dos irmãos Bridgerton, o nono é sobre a mãe deles, Violet, com oito epílogos extras, um de cada irmão. É uma série bem parecida com a série “Os Bedwyn”, da Mary Balogh. Mas, ao comparar a escrita das duas autoras, meu voto vai para a Julia Quinn.
Neste livro, vamos conhecer um pouco da irmã do meio, Eloise Bridgerton. Admito que enrolei um pouquinho para começar a história dela, pois achava que seria chatinha. Porém, ressalto que ela foi melhor do que esperava. Ok, não foi nada que me tirasse o sono de tão surpreendente, mas eu gostei muito de como a autora trabalhou os personagens.
 A Eloise adora conversar com outras pessoas por correspondência. Até que um dia, ela começou a trocar cartas com o Sir Phillip Crane, viúvo de uma prima distante dela.
O Phillip teve um casamento muito ruim com a falecida esposa, Marina. Ela sofria de depressão. Eles tinham dois filhos gêmeos, Oliver e Amanda. Como a Marina vivia reclusa em seu quarto, sem sair nem para dar atenção às crianças, elas cresceram sem muito carinho dos pais, pois o Phillip também nunca tinha tempo para elas. Ele era um estudioso de botânica, e, por isso, de acordo com os conceitos dele, a atenção deveria estar voltada para o trabalho e não em perder tempo para passear com os filhos.
Porém, com o objetivo de chamar a atenção do pai, as crianças aprontavam muito e, por consequência, o Phillip fingia que não via o que elas faziam, pois, na cabeça dele, não queria repetir os mesmos erros do seu pai, que era sempre castigar com muitas surras. Então, para evitar maiores dores de cabeça, ele as evitava.
Ele percebeu que precisa se casar novamente, até para que a nova esposa pudesse assumir as rédeas da vida das crianças e da casa. Então, como a Eloise não conhecia os seus “pestinhas”, ele achou que seria interessante se casar com ela. Desta forma, ela aceitou um convite que ele fez para passar um tempo em sua casa para verem se daria certo um possível casamento.
Admito que achei um bocado egoísta da parte dele querer uma esposa para assumir as responsabilidades dele perante os filhos. Se eu fosse a Eloise, teria mandado ele contratar uma governanta, tendo em vista que o perfil que ele queria de esposa se encaixaria mais em uma funcionária. Em vários momentos quis dar um soco nas fuças do Phillip.
 O que mais gostei da Eloise é que ela não tem “papas na língua”. Ela fala sempre o que sente, o que é muito bom, afinal ninguém tem uma bola de cristal. Acho que ela conseguiu mostrar para ele como uma família de verdade se comporta.
O livro nos mostra a diferença entre uma família bastante unida, os Bridgertons, e uma família que não tem muita estrutura, os Crane. Acho que vale muito a pena a reflexão sobre a presença dos pais na vida dos filhos, principalmente na atualidade, onde ninguém tem tempo para nada.
Para quem não conhece a Julia Quinn, ela começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.
O livro possui 19 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica. Ele foi escrito pelo ponto de vista do Phillip e da Eloise, em primeira pessoa. A cada início de capítulo tem uma passagem de alguma carta que a Eloise endereçou para um destinatário diferente. Em alguns trechos é possível ver o motivo dela ter recusado tantos pedidos de casamento, antes de aceitar o do Phillip. Além disso, a editora disponibilizou um trecho do próximo livro da série, “O conde enfeitiçado”, que conta a história da Francesca, irmã da Eloise, e do Michael Stirling.
Para quem ama a série todos os livros já foram publicados no Brasil pela editora Arqueiro. Pelo que li do início do próximo livro, já estou sentindo a ansiedade bater forte para lê-lo.

Para Sir Phillip, Com Amor

Bibliografia da Julia Quinn (ordem cronológica):

Livros:
     O Duque e Eu – Arqueiro (2013)
     O Visconde que me amava – Arqueiro (2013)
     Um perfeito cavalheiro - Arqueiro (2014)
     Os segredos de Colin Bridgerton – Arqueiro (2014)
     Para Sir Phillip, Com Amor – Arqueiro (2015)
     O Conde Enfeitiçado – Arqueiro (2015)
     Um Beijo Inesquecível – Arqueiro (2016)
     A Caminho do Altar – Arqueiro (2016)
     E Viveram Felizes para Sempre – Arqueiro (2016)


Top comentarista n°10: Clique para participar

Leia Mais ►

21/11/2016

Promoção: Biblioteca de Hogwarts

Olá, queridos leitores! Quem ai já foi assistir Animais Fantásticos e Onde Habitam? Por favor, sem spoilers! Ainda não tivemos a oportunidade de ver, mas já ouvimos de amigos próximos que o filme está maravilhoso! E como esse mês está sendo especial para os Pottermaniacos, decidimos festejar com vocês! Vamos de sorteio?



REGULAMENTO:

- Ter endereço de entrega no Brasil.
- Curtir a Fan Page do blog.
- Curtir e compartilhar PUBLICAMENTE a imagem da promoção (no Facebook).
- Indicar 2 amigos nos comentários da promoção (fanpage).
- Clicar em "quero participar" no aplicativo sorteie-me
- A promoção vai do dia 21/11 ao dia 21/12 às 20hs.
- O sorteio será realizado em até 3 dias após o fim da promoção.
- O vencedor deverá entrar em contato pelo email (academialiterariadf@gmail.com) ou inbox informando seus dados no prazo de 3 dias após a confirmação do sorteio. Caso contrário será feito um novo sorteio.

Obs: A promoção se encontra na nossa página do Facebook (link), aqui estamos apenas divulgando-a ;)

Atenção: Não nos responsabilizamos por extravio dos correios, endereços incorretos ou avarias causadas pelo transporte.


E não se esqueçam! No nosso Top Comentarista de Novembro estamos sorteando "Os contos de Beedle, o Bardo" para você completar sua coleção.


Boa sorte, leitores ;)



Leia Mais ►

19/11/2016

RESENHA - A Garota Italiana (Lucinda Riley)

A Garota Italiana
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: RILEY, Lucinda. A Garota Italiana. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2016. Tradução: Fernanda Abreu. 464 páginas.
Gênero: Romance, Drama
Temas: ópera, música, traição, religião
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Irlandesa
Ano de lançamento: 2014 na Irlanda e 2016 no Brasil






“O amor é uma espécie de vício. É preciso suportar um período de abstinência e não se punir por de vez em quando pensar que nunca vai passar.”
A Garota Italiana (pág 300)




Aos onze anos de idade, Rosanna Menici conhece o cantor Roberto Rossini, uma estrela em ascensão no mundo da ópera italiana - e o homem que mudaria sua vida para sempre. Incentivada - e apaixonada - por ele, Rosanna passa a se dedicar ao estudo do canto lírico, torna-se cantora profissional, e logo os dois se encontram nas salas de concerto mais famosas do mundo, dividindo não só o palco como também o mesmo destino.
Queridos leitores, quando eu decido qual livro ler, levo em consideração três quesitos: a sinopse, a pontuação deste livro no Skoob (nota acima de 4) e a capa. Ok, podem me julgar. Mas, mesmo que fale que não podemos julgar um livro pela capa eu sempre a levo em consideração. Então, quando escolhi ler este livro, eu ponderei muito esses quesitos. Mas, infelizmente, decepcionei-me muito com ele. Pensa em um livro que tive muita dificuldade para terminar.
A história começa com a nossa protagonista, Rosanna Menici, escrevendo uma carta para seu filho Nico, em 1996. Então, o desenrolar da história gira como se ela explicasse para o filho alguns fatos da vida dela.
Aos 11 anos a Rosanna se apaixona por Roberto em um evento que a família dela deu para comemorar o casamento dos pais dele, na Itália, em 1966. Porém, ele já era um cantor de ópera com 28 anos. Ele a escutou cantar na festa e ficou encantado com a voz da garota. Então, sugeriu ao pai, Marco, e ao irmão, Luca, que a colocassem em uma aula de canto, para desenvolver melhor a sua voz.
Os pais dela não acreditavam que mulher poderia ter sucesso, mas que deveria se casar e ser uma ótima dona de casa e esposa. Já o irmão Luca, que trabalhava na cantina dos pais, achou que deveria investir no talento da irmã, além de ser uma das coisas que ela mais gostava de fazer. Então, a metade do seu salário ia para pagar as aulas de canto dela.
Ao longo dos anos, ela se dedicou intensamente às aulas, e por conta disso conseguiu uma bolsa de estudos na escola de música da Scala de Milão. Ela evoluiu muito, enquanto o Roberto se transformou em homem famoso, mimado, egoísta e conquistador. Ele ficava com várias mulheres, inclusive com as que eram casadas.
Quando ela entrou para a escola de música eles passaram a se encontrar mais, e ela percebeu que sua paixonite da infância nunca terminou. E para a infelicidade da Rosanna, ele se envolveu até com sua melhor amiga, Abi. O cara era um destruidor de corações.
Após ela fazer sua grande estreia no Scala, eles viajaram para Londres, para se apresentarem juntos. Então, eles ficaram juntos e o Roberto a pediu em casamento, pois ela era a “primeira” mulher que ele amou.
Porém, amigos, como dizia minha amada vozinha, “pau que nasce torto nunca se endireita”. E foi isso que aconteceu. Depois de algum tempo casados, ela descobre que ele a traiu. Daí você pensa “nossa, agora ela larga esse traste”. No início, até que ela foi firme, contudo você percebe que o que ela quer mesmo é perdoar e esquecer tudo.
Confesso que o livro me decepcionou muito. Esperava que tivesse mais “ação”, mas não. É como se não tivesse nenhuma evolução na história. Fica sempre na mesma coisa. A Rosanna é chata e o Roberto é um cretino. E fica sempre nisso, no mesmo círculo. Como no livro a autora alterna os personagens, então observamos, também, a vida dos outros, como foi o caso do Luca, um dos poucos personagens de que gostei. Porém, mesmo assim achei entediante.
Lucinda RileyO lado positivo é que a autora trabalhou bem a questão do universo da ópera, então quem gosta do tema pode achar interessante. Gostei também de um impresso que veio dentro do livro que imita aqueles “guias de ópera” que são entregues no dia das apresentações (imagem ao lado), para fazer o download, clique aqui.

Dentro do guia tem uma nota da autora sobre o livro, como achei interessante, então vou colar aqui: “a história de Rosanna e Roberto foi escrita há 17 anos. Em 1996, ela foi publicada com o título Ária sob meu antigo ‘pseudônimo’, Lucinda Edmonds. No ano passado, alguns de meus editores perguntaram sobre meus primeiros livros. Eu lhes disse que todos estavam fora de catálogo, mas mesmo assim eles quiseram ver alguns. Lá fui eu então até o sótão da minha casa desencavar os oito romances escritos anos antes. Apesar de estarem cobertos de teias de aranha e com cheiro de mofo, eu os enviei aos editores, explicando que era muito jovem na época e entendia perfeitamente se preferissem jogar tudo no lixo. Para minha surpresa, a reação foi bastante positiva, e eles me perguntaram se eu gostaria de relançar os livros. Isso significava que eu tinha de começar a relê-los e, como qualquer autor que revisita trabalhos do passado, foi com grande apreensão que abri a primeira página de Ária. Tive uma estranha experiência de leitura: como não me lembrava muito bem da história, fui fisgada como qualquer leitor e comecei a virar as páginas cada vez mais depressa para descobrir o que aconteceria depois. Senti que o livro precisava de um pouco de atualização e reedição, mas a história e os personagens estavam lá. Assim, pus mãos à obra por algumas semanas, e o resultado final é A garota italiana. Espero que vocês gostem.”

A Lucinda Riley nasceu na Irlanda e, durante a infância, viajou muito, sobretudo para o Extremo Oriente, para visitar o pai. Radicada em Londres, foi atriz de teatro, cinema e televisão. Aos 24 anos, publicou seu primeiro livro, baseado em suas experiências com a dramaturgia. Sua paixão pelo tema a levou a escrever vários romances históricos que alcançaram os primeiros lugares das listas de mais vendidos. Atualmente vive entre a costa britânica e o Sul da França com o marido e os quatro filhos. Dela, a Editora Arqueiro já publicou "A garota italiana" e os três primeiros volumes da série "As Sete Irmãs". Suas obras já foram traduzidas para 32 idiomas e alcançaram as listas de mais vendidos do prestigioso Sunday Times
Por fim, ressalto que o livro possui 54 capítulos e é narrado em primeira pessoa, pelos pontos de vista de vários personagens. A narrativa é intercalada entre o passado e o presente.

Bibliografia de LUCINDA RILEY (ordem cronológica):

Lucinda Riley

Livros:

     A Luz Através da Janela– Novo Conceito (2012)
     A Casa das Orquídeas – Novo Conceito (2012)
     A Garota do Penhasco – Novo Conceito (2013)
     A Rosa da Meia-Noite – Novo Conceito (2014)
     A Garota Italiana – Arqueiro (2016)
     As sete irmãs - Arqueiro (2016)
     A irmã da tempestade - Arqueiro (2016)
     A irmã da sombra - Arqueiro (2016)

Top comentarista n°9: Clique para participar

Leia Mais ►

16/11/2016

RESULTADO: Lista de Leituras #03 - Novembro

Olá queridos leitores,

Fonte: https://pixabay.com

Ontem, 15/11, encerrou a votação da lista de leituras do mês de agosto (se você não viu, basta clicar aqui).

O resultado ficou da seguinte forma, por prioridade de leitura:

  1. Valiant - Laurann Dohner - Universo dos Livros (2016)
  2. O Cisne e o Chacal - J.A. Redmerski - Suma das Letras (2016)
  3. Sou Rebel (Reviravolta) - Kimberly Mascarenhas - Leya (2016)
  4. Perdão Mortal - Robin LaFevers - V&R Editoras (2015)
Se vocês tiverem alguma sugestão de livro para entrar para a próxima lista, basta comentar neste post. 

Até a próxima votação ;)


Top comentarista n°8: Clique para participar

Leia Mais ►