Tecnologia do Blogger.

08/03/2014

Mulheres importantes na Literatura


No Dia Internacional da Mulher, 
podemos relembrar e conhecer as musas da literatura.

Mas antes de citar um pouquinho de cada uma, você sabe porque dia 08 de Março é considerado o dia Internacional da Mulher? Não? Então vamos fazer um breve resumo, pois essa data marca mais de um século de movimentos pela emancipação das mulheres. Movimentos como em 1857, que operárias fizeram marcha em Nova York por redução da jornada e igualdade salarial entre homens e mulheres. Infelizmente há relatos que essas mulheres foram trancadas e queimadas após o movimento. Mas nem por isso elas se renderam, em 1917, na mesma data (8 de março) trabalhadoras de Petrogrado fizeram greve às vésperas da Revolução Russa. 

Elas já enfrentaram muitos desafios. Aos poucos, conquistaram o direito de votar, chegaram às universidades e ascenderam a grandes cargos dentro de empresas. Portanto, é um dia que não pode ser passado em branco.

Na literatura, elas abandonaram seus pseudônimos masculinos, assumiram a autoria de seus livros e também de suas ideias e valores, mesmo quando de encontro com os pensamentos da época. Dizem as más línguas que intelectualidade não combina com beleza, mas elas estão aí justamente para provar o contrário. Muito mais que rostinhos bonitos, elas são puro talento. 

Mulheres importantes na política, na história mundial e também na literatura.  E para homenagem as mulheres brasileiras, vamos falar um pouco sobre escritoras que fizeram história na nossa literatura.




Hilda Hilst 
(21/04/1930 - 04/02/2004)
Natural de Jaú, São Paulo, Hilda Hilst foi jornalista, poeta e ensaísta. Em 1952, a filha única do também escritor e fazendeiro Apolônio de Almeida Prado Hilst e de Bedecilda Vaz Cardoso formou-se em Direito. Nessa época, a vida de Hilda foi marcada pela boemia, fase que durou até 1963. Muito bonita, ela despertou paixões em empresários e vários artistas. Vinícius de Moraes foi um dos apaixonados por ela. A escritora, por sua vez, chegou a tentar conquistar, sem sucesso, o ator Marlon Brando, durante uma viagem ao exterior em 1957. Os primeiros livros, Presságio e Balada de Alzira, foram lançados em 1950 e 1951, respectivamente. O primeiro prêmio veio em 1962, quando Hilda Hilst foi agraciada com o Prêmio Pen Club de São Paulo pelo livro Sete cantos do poeta para o anjo. Nessa época, ela começou a abrir mão da vida social e passou a se dedicar exaustivamente à literatura. A leitura de Carta a El Greco, do escritor grego Nikos Kazantzakis, teria causado essa mudança, já que o autor prega que é necessário se isolar do mundo para realmente conhecer o ser humano. Em 1966, Hilda mudou-se para a Casa do Sol, propriedade próxima a Campinas (SP), onde viveu até a sua morte. Dois anos depois da mudança, ela se casou com Dante Casarini, por insistência da sua mãe, internada em um sanatório. O pai de Hilda, que era esquizofrênico, também foi internado aos 35 anos, permanecendo em sanatórios para doentes mentais até a morte.



  Cora Coralina 
(20/08/1890 - 10/04/1985) 
Cora Coralina é o nome literário de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Nascida em Goiás Velho (GO), a escritora publicou ao todo seis livros, entre crônicas e poemas. Falando essencialmente da sua região, tornou-se um símbolo feminino da história do Estado de Goiás. Aos 14 anos, Cora Coralina escreveu seus primeiros contos e poemas. O primeiro conto publicado foi Tragédia na Roça. O primeiro livro, Poemas dos Becos de Goiás e outras histórias mais, foi publicado em 1965. Aos 75 anos, Cora alcançou o reconhecimento. Quatro anos depois, ela chegou a receber uma carta de Carlos Drummond de Andrade, que declarava-se seu admirador. "Seu livro é um encanto, seu lirismo tem a força e a delicadeza das coisas naturais", dizia trecho da carta. Entre as glórias conquistadas em vida, Cora Coralina chegou a receber 6 prêmios de poesia no I Encontro das Mulheres na Arte. Ela recebeu também o troféu Juca Pato e o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás.



Rachel de Queiroz 
(17/11/1910 - 04/11/2003) 
A primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, Rachel de Queiroz nasceu em Fortaleza (CE). Foi professora, jornalista, romancista, cronista e teatróloga. Em 1917, com apenas 7 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro com os pais, fugindo da seca de 1915. O tema foi futuramente abordado pela escritora no romance O Quinze, seu primeiro livro, lançado em 1930. Com o pseudônimo de Rita de Queluz, ela estreou no jornalismo, em 1927. Seu primeiro texto foi publicado no jornal O Ceará, de onde se tornou redatora. Aos 20 anos, com a publicação de O Quinze, Rachel passou a ser um nome conhecido no meio literário. O primeiro reconhecimento do seu talento veio com o Prêmio da Fundação Graça Aranha, dado a ela em 1931. Rachel de Queiroz morreu no dia 4 de novembro de 2003, de falência múltipla dos órgãos, 26 anos depois da sua posse na ABL.



Nélida Piñon 

(03/05/1937) 
Além da carreira de escritora, Nélida Pinõn tem mais um motivo para se orgulhar: ela foi a primeira mulher, em 100 anos, a integrar a Diretoria da Academia Brasileira de Letras e a ocupar a Presidência da ¿Casa de Machado de Assis¿. Jornalista, romancista, contista e professora, Nélida nasceu no bairro de Vila Isabel, Rio de Janeiro. Sua família veio da Galiza e está no Brasil desde os anos 20. A estréia na literatura se deu em 1961, com a publicação do romance Guia-mapa de Gabriel Arcanjo. O livro e toda a carreira da escritora são marcados pelo engajamento no movimento pós-Guimarães Rosa, que se orienta pela renovação formal da linguagem. Atualmente, a obra de Nélida Piñon está traduzida em vários países, como Alemanha, Itália, Espanha, União Soviética, Estados Unidos, Cuba e Nicarágua. Em 1995, ela conquistou o Prêmio Internacional de Literatura Juan Rulfo, o mais importante da América Latina e do Caribe, tornando-se a primeira mulher e o primeiro autor de língua portuguesa a receber o mérito.




Clarice Lispector 
(10/12/1920 - 09/12/1977) 
Nascida na Ucrânia, numa aldeia chamada Tchetchenillk, Clarice Lispector foi criada em Recife, Pernambuco, para onde seus pais se mudaram nos seus primeiros anos de vida. Aos 12 anos, já órfã de mãe, sua família se mudou para o Rio de Janeiro. A primeira obra publicada foi Perto do Coração Selvagem, lançado quando ela tinha 19 anos. A crítica ficou extasiada e quis, de imediato, saber quem era a moça que "escrevia diferente". Depois de uma temporada de 15 anos fora do Brasil, para onde foi na companhia do marido diplomata, Clarice voltou ao Rio de Janeiro. Um dos livros mais importantes da obra da autora é A hora da estrela, de 1977, que conta a trajetória de Macabéa, moça do interior lutando para viver na cidade grande. Em novembro de 77, Clarice Lispector descobriu que sofria de câncer generalizado. A escritora morreu no mês seguinte, considerada uma das mais importantes representantes da literatura brasileira contemporânea.



Cecília Meireles 
(07/11/1901 - 09/11/1964) 
Reconhecida como uma das mais importantes autoras brasileiras, Cecília Meireles foi também a organizadora da primeira biblioteca infantil do país. Assim como outras escritoras, a carreira de Cecília começou cedo: aos 18 anos, ela publicou Espectros, seu primeiro livro. Em 1922, ela integrava a ala católica do movimento modernista, que teve a revista Festa, lançada em 1927, como maior meio de expressão. A maturidade de Cecília Meireles como poeta veio em 1938, quando Viagem foi premiado pela Academia Brasileira de Letras. Viagens ao exterior, durante o seu segundo casamento, originaram os livros Doze Noturnos de Holanda e Poemas Escritos na Índia. Um ano depois da sua morte, a ABL concedeu a Cecília Meireles o prêmio Machado de Assis, pelo conjunto de sua obra.



Adélia Prado 
(13/12/1936) 
Escritora e poeta mineira, Adélia Prado tem como inspiração o seu Estado natal. Seus primeiros versos foram escritos aos 14 anos. Os primeiros poemas publicados datam do início dos anos 70, em jornais de Divinópolis (cidade onde nasceu) e de Belo Horizonte. O primeiro livro ¿solo¿ foi Bagagem, de 1976, recebido com elogios pela crítica. Cinco anos antes, havia publicado, juntamente com Lázaro Barreto, a obra A Lapinha de Jesus. Em 1978, Adélia Prado conquistou o Prêmio Jabuti, em São Paulo, com o livro O Coração Disparado.



Ana Cristina César 
(02/06/1952 - 29/10/1983) 
A maioria dos críticos concorda: não dá para falar da literatura brasileira dos anos 70 sem falar de Ana Cristina César. Nascida no Rio de Janeiro, em 1952, ela estreou como poeta aos 7 anos, quando suas primeiras poesias foram publicadas no Suplemento Literário do jornal carioca Tribuna da Imprensa. Formada em Letras pela PUC do Rio de Janeiro, Ana Cristina César estudou também na Inglaterra e exerceu intensa atividade jornalística e foi também tradutora de autores estrangeiros. Entre os livros lançados estão Luvas de Pelica, Cenas de Abril e Correspondência Completa. Depois que se suicidou, em 1983, foram lançados três livros com seus textos inéditos, organizados por Armando Freitas Filho: Inéditos e dispersos (prosa e poesia), lançado em 1985, Escritos da Inglaterra (ensaios e textos sobre a tradução e literatura), 1988, e Escritos no Rio (artigos, textos acadêmicos e depoimentos), 1993.

E por fim ainda cito mais uma autora que em minha humilde opinião 
marcou a literatura brasileira, J.K. Rowling.


Confira, divirta-se e, se não concordar com a lista ou quiser acrescentar outros nomes, sinta-se à vontade para comentar esse post indicando quem são as suas musas da literatura.



Fonte: TERRA
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!