Tecnologia do Blogger.

09/06/2015

RESENHA - Elevador 16 (Rodrigo de Oliveira)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: DE OLIVEIRA, Rodrigo. Elevador 16. 1ª edição. São Paulo, Faro Editorial, 2013. 60 páginas.
Gênero: Terror Fantástico.
Temas: Apocalipse, Zumbis.
Categoria: Literatura Nacional
Ano de lançamento: 2015.
Série: O Vale dos Mortos (Livro 1); Elevador 16 (Spin Off); A Batalha dos Mortos (Livro 2).




“Ninguém sabe ao certo como um zumbi se comporta. Às vezes, eles são repetitivos, previsíveis, como mecanismos programados para fazer sempre a mesma coisa, no mesmo horário e do mesmo jeito.
Mas eles também podem surpreender com um comportamento completamente inesperado; e, quando isso acontece, o resultado costuma ser catastrófico.”
*Elevador 16 (pág. 47).
               



Final de 2017.
Cientistas descobriram a existência de um planeta colossal em rota de colisão com a Terra. O monstro rochoso era vinte vezes maior que o nosso diminuto planeta e um impacto significaria o fim do mundo. Os governantes de todo o planeta abriram o jogo para a humanidade, anunciando o possível fim. E o pânico se instaurou por todo o globo, pois ao ser descoberto, ele já estava próximo demais da Terra para qualquer medida emergencial. Era uma questão de meses até que ele estivesse em cima de nós.
Absinto foi o nome que deram para o monstro. O flagelo do fim do mundo.
Porém, após meses de estudos, o mundo respirou aliviado quando descobriu-se que o gigante não estava em rota de colisão com a Terra, mas passaria muito, mas muito perto, em medidas cósmicas, passaria “raspando”. Todos respiraram aliviados e uma grande festa sem precedentes na história da humanidade foi celebrada. Agora Absinto passou de preocupação a admiração, pois ele poderia ser visto a olho nu, devido à pequena distância entre os dois e o seu tamanho.
O grande dia finalmente chegou e o mundo parou para ver a passagem de Absinto.
Então... aconteceu. 2/3 de todas as pessoas do planeta caíram desmaiadas, causando acidentes e mortes em todo o globo.
E essa nem foi a pior parte.
Os que caíram se levantaram e começaram a atacar seus semelhantes sem distinção.
Começava aí o verdadeiro fim do mundo.
“Elevador 16”, obra do autor Rodrigo de Oliveira nos traz de volta a série As Crônicas dos Mortos, onde tudo começou: no evento da aparição do planeta Absinto. Porém, a história foca em um personagem que não aparece nos dois primeiros volumes (“O Vale dos Mortos” e “A Batalha dos Mortos”), portanto, não há Ivan e companhia nessas páginas. Os olhos do leitor agora se voltam para Mariana Fernandes, uma mulher que logo nas primeiras páginas descobre algo que vai mudar sua vida e mal sabia ela que teria de carregar essa descoberta por um mundo totalmente diferente daquele no qual estava acostumada: ela estava grávida.
No dia da chegada do planeta, ela estava de plantão, trabalhando arduamente em uma empresa de Sistemas em São Paulo, quando no banheiro da empresa, fez o teste e deu positivo. O que era para ser motivo de alegria se transformou em profundo pesar, pois ela não planejara aquela gravidez e, para piorar a situação, o pai da criança era também seu colega na empresa, o Raul, e a corporação tinha regras rígidas sobre romances entre empregados.
 Em meio aos acontecimentos do dia ela toma o elevador com mais 16 pessoas para ir almoçar e de repente ele trava e todos ficam presos. Para piorar, minutos depois, 10 pessoas caem desmaiadas, incluindo seu namorado, Raul. Sem saber o que fazer, os 6 restantes decidem esperar por ajuda... até que os desacordados abrem os olhos e neles há apenas o branco da morte.


            O livro é curtinho. Porém, de forma alguma deve ser tratada como “irmão caçula” dos outros volumes lançados (tá, só em tamanho). Acredito que o livro está em pé de igualdade com os outros pela forma que o autor amarrou a história. O livro se passa totalmente dentro de um prédio entregue à escuridão, com pessoas comuns no sentido de não conseguirem recorrer a nada para ajudá-los, e esse é um elemento que eu curto muito em uma história do gênero. Esquecendo um pouco as pessoas que dão a sorte de ter uma arma em mãos, que conseguem se abrigar em locais seguros, que podem ler mentes ou têm acesso a mil armas, “Elevador 16” traz um elemento não (tão) explorado nos dois livros anteriores: cenário claustrofóbico. Imagine você preso em um prédio escuro, rodeado de zumbis sanguinários e a melhor arma que você tem em mãos é o seu celular? Pior ainda, dentro de um elevador. Quando a coisa aperta, será que a pessoa do seu lado vai te ajudar? Ou ele vai tentar fugir na primeira oportunidade? Quando alguém está em perigo, você vai ajudar, ou usar isso para fugir?
A partir do momento em que os primeiros zumbis se levantam, a ação se torna frenética do início ao fim. Não há tempo para respirarmos, já que não existem capítulos no livro. Mariana vai tendo que se virar com outros sobreviventes, para tentar sair do prédio entregue à escuridão. As decisões que a moça toma no decorrer da narrativa vão dando forma ao que podemos esperar de sua atuação em “A Senhora dos Mortos” e eu estou louco para começar a leitura.
A única crítica (leve) que eu tenho a fazer é em respeito à aceitação rápida de Mariana ao fato de que o mundo não era mais mundo. Sim, o livro é curto, mas em um momento ela estava desesperada e no outro já demonstrava ser uma futura sobrevivente. Não ficou ruim, só creio que deveria ter sido trabalhado só mais um pouquinho essa mudança.
O livro é narrado em terceira pessoa. A fluidez da narrativa é leve. O autor soube explorar bem o cenário e os personagens para entregar uma obra de leitura rápida. A narrativa se concentra em Mariana, personagem principal, mas também dá espaço a outros personagens secundários, como Raul, Rodolfo e Joana. Mesmo sendo curto, o autor ainda consegue dar profundidade a alguns deles, o que torna ainda mais prazerosa a leitura. A obra é toda linear, mostrando os acontecimentos do dia fatídico em que Absinto chegou próximo à Terra. A revisão está excelente. Mais uma vez a Faro Editorial entrega um trabalho de qualidade na formatação e diagramação. A capa chama bastante atenção, destaque para o olhar do zumbi, que é muito explorado pelo autor no livro.


Rodrigo de Oliveira é Gestor de TI e um grande fã de ficção científica, dos clássicos do terror, em especial da obra do mestre George Romero. Casado, com dois filhos, nasceu em São Paulo e vive entre a capital e o Vale do Paraíba. É autor das Crônicas dos Mortos, saga de livros que já possui quatro volumes: “O Vale dos Mortos”, “Elevador 16” (spin off), “A Batalha dos Mortos” e recentemente lançado: “A Senhora dos Mortos”.
“Elevador 16” é um aperitivo para quem quer mergulhar de cabeça no mundo dos mortos-vivos criado pelo autor. Recomendo aos leitores de primeira viagem pôr as mãos nesse livro antes de ler os outros, pois aqui vocês poderão saber se seguirão em frente na leitura. Obrigatório para os que já são fãs do autor, principalmente quem vai ler o terceiro volume (como eu), já que Mariana voltará a aparecer em “A Senhora dos Mortos”. E claro, para os fãs do gênero terror. Indico essa obra para todos os fãs de literatura nacional. Rodrigo de Oliveira merece todo destaque por seu trabalho.
“Elevador 16” é uma obra claustrofóbica e eletrizante que irá te prender do início ao fim.
Agora sim, vamos encontrar A Senhora dos Mortos”.



Bibliografia de RODRIGO DE OLVEIRA (ordem cronológica):

Livros:

  • O Vale dos Mortos – Editora Baraúna (2013); Relançado pela Faro Editorial (2014).
  • Elevador 16 – Faro Editorial (2013)
  • A Batalha dos Mortos – Faro Editorial (2014)
  • A Senhora dos Mortos – Faro Editorial (2015)


Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. Fiquei muito a fim de ler, porque sou doida por histórias com zumbis hahahaha
    Mas antes quero ler os demais da série pra não ficar toda por fora da história...

    Sobre a personagem Mariana ter se adaptado rápido, seilah... pode ter sido o choque da situação, não??? O.o'
    Bem, só lendo pra saber... rsrs
    bjs
    http://torporniilista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá :}

    Li esse conto em e-book e fiquei totalmente envolvida pela escrita do Rodrigo. Depois de ler esse é que fui atrás dos livros da trilogia. Ainda não os li, porque estava esperando o último ser lançado. Mas eu gostei bastante :}

    Beijos,
    www.estantedarob.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Luciano.
    Tenho que confessar que este não é o tipo de leitura que eu curto, mas gostei muito da sua resenha. O enredo do livro pareceu ser bem interessante. Sempre bom saber de autores nacionais que conseguem escrever com qualidade.
    Um beijo
    Carol
    www.sobrevicioselivros.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Luciano, eu realmente necessito ler essa serie <3 Eu tenho esse livro em ebook e vou aproveitar para lê-lo e descobrir se me dou bem com a escrita do autor, mas com a sua resenha já deu para perceber que eu vou gostar *--*

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  5. Oi, Luciano!
    Eu tenho o autor no Facebook. As capas de seus livros sempre me chamam muita atenção, mas eu ainda não tive como comprar. Espero poder adquirir meu exemplar de As Crônicas dos Mortos em breve. Mesmo não gostando muito do gênero, sua resenha me convenceu. Ah, claro que antes vou ler Elevador 16. Obrigada pelo conselho!
    Com carinho,
    Celly.

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?

    Gente, que capa é essa? *__* Tudo bem que não devemos julgar um livro pela capa, mas se eu dou de cara com um desse na livraria, compro sem olhar a sinopse HAHAHAHA. Você ressaltou na sua resenha pontos que eu adoro em livros, que é narrativa em terceira pessoa, pois acho que dá uma visão de mundo maior, personagens bem construídos e cenários bem elaborados. Junta isso tudo com a temática Zumbi, e pronto, tem uma ótima obra nas mãos.

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor - http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que capa medonha! Sério, esse efeito no olho ficou MUITO bizarro! Na outra foto eu foquei no bonequinho, que apesar de nojento é menos horripilante. Eu não suporto zumbis, li Red Hill recentemente e confirmei isso. Coisa mais sem lógica, povo morto e andando atrás de vc. Enfim, não leria mesmo, não faz nem um pouco meu estilo.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Luciano, tudo bem?Essa capa é de dar arrepios, risos....
    Nossa, esse livro desse ser desesperador, não consigo imaginar outra palavra. Fiquei nervosa imaginando a situação deles presos no elevador com a vida por um fio, com pessoas acordando monstros. Sua resenha ficou ótima, me deu muita vontade de sair da minha zona de conforto e ler esse livro. Já para a lista.Beijinhos.Cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Luciano, tudo bem? Tenho muita vontade de ler essa série, nunca li nada de zumbis, mas sempre ouço falar muito bem dos livros do Rodrigo e quero muito conhecer. Esse spin-off parece ser bem tenso, nossa, imagina, ficar preso dentro de um elevador, com 10 zumbis, e sem poder fugir e sem ter o que lutar... sério, deve ser uma leitura bem angustiante.

    Parabéns pela resenha, ficou ótima e deu ainda mais vontade de a série!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  10. Oiii!

    Eu sou tããããããão meeedrosa gente HUHASUHSAUHSUA
    Tirando todo o meu medo, o enrendo é maravilhoso! O autor parece ter trabalhado muiito bem os elementos e justamente por isso eu não leria, sou muito medrosa, não conseguiria terminar a leitura :(
    Fico feliz que tenha gostado!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!