Tecnologia do Blogger.

17/08/2015

ENTREVISTA: Laís Rodrigues

Olá, leitores! Como estão? 
Hoje é dia de entrevista na Academia! Entrevistamos nossa querida e simpática autora parceira Laís Rodrigues! A autora participou da terceira edição do Evento Semana do Livro Nacional, organizado por nós e nossos amigos blogueiros. Hoje ela vem para falar a vocês, leitores, um pouco sobre sua carreira, seu livro de estreia e futuros projetos. Confiram abaixo:


Academia: Primeiramente, gostaríamos de agradecer pela confiança em nosso trabalho e por ter aceitado ser nossa parceira! Conte-nos um pouco sobre você. Quem é Laís Rodrigues?

Laís: Eu é que tenho que agradecer pelo convite e carinho!
Sou advogada de formação, com mestrado em Direito Constitucional. Atualmente, trabalho na área internacional de uma empresa aqui em Brasília. Nas horas vagas, divido-me entre minhas paixões: meu marido, meus gatos (Luke Skywalker e Leeloo), meu blog de cinema (que agora tem canal no YouTube!), e a escrita.

Academia: Quando foi que você se descobriu escritora?

Laís: É interessante notar que muitos autores têm belas histórias de amor com a escrita. Muitos deles já sabiam que seriam escritores desde a infância. Comigo, não foi bem assim. Sempre fui uma grande leitora, muito incentivada pelos meus pais. Porém, a escrita somente apareceu de verdade em minha vida três anos atrás, com o blog. Desde então, tornou-se parte de mim, e não consigo mais parar!

Academia: A obra “Primeiras Impressões” é uma adaptação de “Orgulho e Preconceito”, da grande autora Jane Austen. Qual foi o motivo que a levou a escolher esse romance como inspiração para sua obra de estreia?

Laís: Na realidade, foi uma daquelas coisas do destino. Eu já havia escrito outro livro, de ficção científica em um futuro distópico. No entanto, nunca tive coragem de mostrá-lo a ninguém. Foi quando comecei, sem qualquer pretensão, a adaptar Orgulho e Preconceito, pois sempre tive vontade de ver esse grande romance se passando no Brasil. Foram duas fãs de Jane Austen, minha mãe e minha irmã, que me incentivaram (e convenceram) a publicá-lo.

Academia: O que a sua obra traz de diferente da original?

Laís: Tentei manter a alma do livro, mas trazê-lo ao século XXI. Então, ao invés de casamento, temos namoro, no lugar de cartas, temos emails, as personagens femininas são independentes e têm suas próprias profissões. E, o principal: são quebrados alguns tabus do século XIX, a fim de deixar a história eterna de Lizzie e Darcy de acordo com nossa realidade.

Academia: A trama se inicia em Búzios, no Rio de Janeiro. Por que a escolha do local paradisíaco como ambientação para o início do relacionamento (de amor e ódio) de Lizzie e Sr. Darcy?

Laís: Uma das primeiras decisões que tomei foi que Lizzie seria carioca. Por algum motivo, conseguia ver sua personalidade sarcástica e independente se encaixando perfeitamente em uma jovem do Rio de Janeiro. Búzios é uma bela cidade, pela qual todos se apaixonam (ou quase todos), mas é relativamente pequena e distante de grandes centros, aeroporto, e etc. Ou seja: achei que seria uma ótima versão brasileira e do século XXI da cidade fictícia de Meryton, onde os Bennet vivem.

Academia: Falando nos personagens principais, a quê você atribui o sucesso do casal para com o público?

Laís: Quem já não julgou o outro baseado em primeiras impressões? Quem já não teve uma antipatia inicial por alguém e, aos poucos, foi gostando daquela pessoa (de forma romântica ou não)? Apesar de ser um livro com mais de duzentos anos, a temática central de Orgulho e Preconceito continua sendo incrivelmente atual. Por isso é uma obra que continua sendo adaptada.

Academia: Como foi à recepção do público para a obra? O que as fãs da autora Jane Austen têm comentado a respeito?

Laís: O que mais me preocupava era exatamente a opinião das fãs. E, felizmente, a recepção tem sido ótima! O que me incentiva a dar continuidade à minha idéia de adaptar outras obras da grande autora inglesa.

Academia: Quais os seus planos futuros?

Laís: Como comentei, pretendo adaptar outras obras de Jane Austen. Além disso, estou escrevendo livros de fantasia infanto-juvenil, outro gênero que adoro.

Academia: Para você, como autora, qual a importância que os blogs literários têm para com o mercado literário nacional?

Laís: Sem os blogs literários, a divulgação do “Primeiras Impressões” teria sido quase impossível. Sinto-me sortuda de ter tantos parceiros maravilhosos como a Academia Literária do DF, que incentiva a literatura nacional e nos apóia de todas as formas possíveis.

Academia: Que autor você indicaria para ser parceiro da Academia Literária DF?

Laís: Uma mulher maravilhosa, que me ajudou muito neste começo difícil da carreira literária, Lélia Almeida, autora do premiado “O Amante Alemão”.

Academia: Para finalizar, gostaríamos de agradecer pela parceria e colaboração com a Academia. Deseja deixar um recado para os aspirantes a escritores? E para seus leitores?


Laís: Para os leitores: meu muito obrigada, e podem aguardar mais livros! Para aqueles que sonham em publicar livros: paciência e perseverança são a chave.


Muito obrigado, Laís! A Academia Literária DF agradece sua participação, atenção e carinho dedicados a essa parceria. Que nossa parceria traga bons frutos. Sucesso em sua carreira!

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!