Tecnologia do Blogger.

13/10/2015

RESENHA - Resident Evil: A Conspiração Umbrella (S.D. Perry)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: PERRY, S. D. (Stephani Danelle). Resident Evil - Conspiração da Umbrella. 1ª edição. São Paulo, Benvirá, 2013. Tradução: Gustavo Hitzschky. 232 páginas.
Gênero: Terror
Temas: Zumbis, vírus, conspiração.
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Norte Americana.
Ano de lançamento: 1998 nos Estados Unidos; 2013 no Brasil.
Série: Resident Evil - Conspiração da Umbrella (Livro 1); Resident Evil – O incidente de Caliban Cove (Livro 2); Resident Evil – A cidade dos mortos (Livro 3); Resident Evil – Submundo (Livro 4); Resident Evil – Nêmesis (Livro 5); Resident Evil – Código: Verônica (Livro 6).








“Com um empurrão fraco a porta se abriu, dando para um corredor escuro com papel de parede cheio de manchas verdes. Um homem de ombros largos estava parado a menos de seis metros, um pouco escondido pelas sombras, de costas para Chris. Virou-se lentamente num ritmo cuidadoso de alguém bêbado ou machucado, e o cheiro que Chris havia notado antes emanava do homem em ondas grossas e nauseantes. As roupas estavam esfarrapadas e sujas, e ele tinha cabelos ralos e despenteados na nunca.
‘Deve estar doente, ou então morrendo...’
Qualquer que fosse o problema, Chris não estava gostando; seus instintos diziam para fazer alguma coisa. Foi para o corredor e apontou a Beretta para o torso do homem. – Parado, não se mexa!”
*Resident Evil: Conspiração Umbrella (pág. 60).


Raccoon City.
A cidade se encontrava em estado de pânico com os recentes casos de assassinatos brutais que tiravam o sono de seus habitantes. A cada semana, o governo local era pressionado para dar um fim à onda de violência. Grande parte dos desaparecimentos e mortes aconteceram na floresta, nos arredores das montanhas Arklay e, mesmo com o toque de recolher, mais casos pipocavam a todo o momento. O DPR (Departamento de Polícia de Raccoon) se mostrava incapaz de prender os criminosos que receberam da mídia a alcunha de “assassinos canibais”, pois todas as vítimas apresentavam ferimentos de mordidas, que segundo relatórios de médicos-legistas, eram de mandíbulas humanas.
Após dois meses de assassinatos sem solução, o chefe de polícia local cedeu à pressão e chamou os S.T.A.R.S: Special Tatics And Rescue Squad (Serviço de Resgate e Táticas Especiais). Liderados pelo capitão Albert Wesker, Chris Redfield e Jill Valentine embarcam junto aos grupos Alpha e Bravo dos S.T.A.R.S para solucionar o caso. O time Bravo foi enviado na frente, para reconhecimento de território, mas algo saiu muito errado. Caberá então à dupla Chris e Jill desvendar os mistérios que se escondem na floresta de Raccoon City.

Aviso: Este game não é para qualquer um :) 
           Resident Evil, famoso jogo de Survival Horror (Sobrevivência e Horror) da Capcom, ganha as páginas de um livro assinado por Stephani Danelle Perry. O livro reconta a história do primeiro jogo da série, usando o roteiro original. Nele, somos apresentados aos dois personagens principais da trama: Chris Redfield e Jill Valentine. Ambos fazem parte dos S.T.A.R.S., grupo tático que realiza missões de todos os tipos em diferentes partes do globo. Partindo de uma de suas bases em Raccoon City, o grupo investiga casos de assassinatos brutais envolvendo canibalismo. Após perder o contato com a equipe Bravo, a equipe Alpha é enviada, mas mal chegam e são atacados por cachorros mutantes. Ao buscarem abrigo na Mansão Spencer, supostamente abandonada, os segredos e mistérios começam a vir à tona.
Desde que joguei pela primeira vez o jogo no saudoso Playstation 1, fiquei completamente contaminado pela série. Foram muitas noites de sustos (malditos cachorros mutantes) e diversão comandando os personagens centrais da trama. Quem vivenciou essa época dos videogames pode relembrar como a visão do primeiro zumbi mudou a vida de muitos jogadores. Portanto, para os que não conhecem a franquia, não irei me estender muito, para não estragar as surpresas (e os sustos).

São apenas cachorros, eles disseram. U.u
A adaptação do jogo para os livros não fica atrás. Além de dar maior densidade para a narrativa, Perry mostra alguns fatos anteriores ao início do jogo. Já dentro da mansão, que é onde a narrativa se desenrola, podemos seguir passo a passo as ações dos personagens e eu me senti como se estivesse novamente com um controle na mão, guiando os personagens pelos corredores da mansão. Foram várias as referências que a autora usou na narrativa. Desde os Puzzles (quebra-cabeças que os jogadores têm de resolver para seguir em frente) aos Save Points, que eram os locais onde o jogador poderia salvar o jogo.

“Jill caminhou até a escada segurando firme a pistola, seus passos abafados pelo tapete felpudo que se estendia até a porta da frente. Havia uma velha máquina de escrever em uma mesinha à direita da escada com uma folha branca de papel no tambor, pronta para ser usada. Uma decoração um tanto estranha. Fora isso, o hall amplo estava vazio.”
*Resident Evil: Conspiração Umbrella (pág. 60).

Jogadores contando as balas para chegar no Save Point
                A autora também usa um recurso muito interessante que dá mais vida aos personagens: no meio da narrativa, ela coloca em destaque os pensamentos deles. Às vezes esses pensamentos até complementam o que o narrador está dizendo.

“Joseph se levantou, segurando alguma coisa, e soltou um berro estrangulado antes de largá-la, os olhos arregalados de medo.
Por uma fração de segundo, a mente de Jill não quis acreditar no que Joseph segurava.
‘Uma pistola do S.T.A.R.S., uma Beretta...’
Jill apurou o passado e alcançou Wesker.
‘... e uma mão humana desencarnada em volta dela, arrancada na região do pulso.’”
*Resident Evil: Conspiração Umbrella (pág. 60).

                Os personagens são muito bem explorados pela autora. Talvez até mais que no próprio jogo, pois na época os recursos eram escassos e era difícil conferir profundidade aos personagens. Apesar de seguir à risca o roteiro original, Perry soube colocar mais personalidade neles. O que eu posso deixar como crítica foi a forma como os personagens reagiram diante da ameaça, achei um pouco forçado o modo como a autora descreveu. Foi algo do tipo: “Nossa, zumbis. Ok, vi muitos filmes sobre isso, chumbo neles”.

O primeiro, a gente nunca esquece.
A obra é narrada em terceira pessoa. A narrativa acompanha os passos de cinco personagens, embora Chris e Jill apareçam com mais frequência. A autora tem uma escrita bem fluida. O único “problema” que os leitores podem encontrar é nas descrições de alguns cenários, que são um tanto complexas de se imaginar. A relação temporal é linear. A revisão está boa, mas não escapa de erros na tradução, principalmente de coerência. Mas nada muito grave. A formatação está excelente, com um bom espaçamento entre as linhas, com páginas amareladas e um bom espaço entre um capítulo e outro, sem cansar demais o leitor. A capa mostra os dois personagens principais empunhando suas armas. Curioso notar que apesar de ter a biografia da autora, não há uma foto dela e nem uma sinopse.
S. D. Perry é autora de várias séries famosas como “Aliens”, “Alien vs. Predador” e “Star Trek”. Perry também escreveu os romances inspirados nos filmes “Timecop” e “Vírus”. É filha do escritor best-seller de ficção científica Steve Perry e mora em Portland, no estado norte-americano de Oregon, com o marido e dois filhos.
Resident Evil: Conspiração Umbrella é uma viagem no tempo. Um reencontro com os primórdios do terror, quando jogos como Resident Evil 1, Silent Hill e Alone In the Dark tiravam o sono dos jogadores e garantiam horas de diversão. Recomendo para os fãs da franquia, pois a obra traz alguns elementos que o jogo não explora com tanta profundidade. Recomendo também para os fãs do gênero em geral, pois Resident Evil foi responsável por uma gama enorme de games que exploram o “Survival Horror” (Sobrevivência e Horror). Para os curiosos, que desejam entrar de cabeça nesse mundo, esse livro é um bom começo. 
O fato é que Resident Evil tem causado muitos ataques cardíacos desde 1996, quando o primeiro jogo foi lançado. Muitos outros livros adaptados de outros jogos da franquia foram lançados. E mal vejo a hora de ler o Nêmesis dizendo: “S.T.A.R.S...”




Bibliografia de S. D. Perry (ordem cronológica):

Livros lançados no Brasil:

·         Resident Evil: Conspiração Umbrela (Livro 1) – Benvirá (2013).
·         Resident Evil: O incidente de Caliban Cove (Livro 2) – Benvirá (2014).
·         Resident Evil: A Cidade dos Mortos (Livro 3) – Benvirá (2014).
·         Resident Evil: Submundo (Livro 4) – Benvirá (2014).
·         Resident Evil: Nêmeses (Livro 5) – Benvirá (2015).
·         Resident Evil: Código Verônica (Livro 6) – Benvirá (2015).


Clique na imagem para saber como partipar.
Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. Luciano, que capa linda é esta de Resident Evil?! Meu Deus! Nunca tomei conhecimento dos livros desta série, mesmo não possuindo bastante interesse. A premissa do livro de sobrevivência, assassinos e horror me encanta, mas os jogos unidos aos filmes não me encantam bastante. Espero que a leitura do livro me conquiste.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou suspeita para falar sobre Resident Evil porque eu amo demais! Os jogos, os filmes e agora entra para lista os livros... Eu comecei a ler esse livro emprestado do meu primo, mas fiquei sem tempo e devolvi sem terminar. No entanto, a vontade de ler continua e eu realmente quero ler ele novamente e dessa vez completo, só me falta tempo. Amo tudo que envolve o universo de Resident e tenho certeza que irei gostar da leitura, adoro a ligação que tem entre livro, filme e jogos, e sua resenha só me deixou ainda mais curiosa e com vontade de ler! Me contaminou de curiosidade u.u
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Luciano! Confesso que apesar de ler em sua resenha tantos elogios, não tive nenhum interesse em conhecer essa serie. Já vi os jogos e sei que é rico em ação e para quem gosta desse gênero, tenho certeza de que é um prato cheio.
    Mas adorei ler sua resenha rica em detalhes. Está incrível!!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu não sabia que tinha livros do jogo. Mas se eu entendi direito primeiro vieram os jogos e depois os livros? Se for mesmo assim então é bem interessante, uma forma diferente de fazer as coisas.
    Eu sempre achei legal os jogos mas nunca joguei, só ficava de expectadora. E no meu caso vi os jogos mais recentes, acho que nao tenho esse sentimento de nostalgia que muitas pessoas podem ter ao ler. Em todo o caso fiquei bastante curiosa com a leitura.
    Beijos
    SIL | Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  5. Oi Luciano, tudo bem
    Veja como estou completamente por fora: já tinha ouvido falar do livro e não sabia que este era baseado em um jogo. E sempre fiquei curiosa sobre o conteúdo do livro. Pelo o que descreveu, deve ser uma sensação única ler a história, ela deve ser bem visual para quem já jogou, pois com certeza irá lembrar das cenas, dos cenários dos jogos e das surpresas,risos... Não sei se é para mim, pois nunca li um livro desse gênero, então, vou deixar a dica anotada e experimentar!!!!! Sua resenha ficou ótima!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Lembro de jogar com meu primo e morria de medo! Já assisti ao primeiro filme, foi bom mas não isso tudo que todos dizem. Ótima resenha, mas não tenho interesse em ler essa saga.

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?

    Apesar de ser um grande fã de adaptações de jogos, esse é um que eu não animaria ler. Gostei muito dos filmes, mas com o tempo acho que começaram a inventar demais, tanto nos jogos quanto nas animações, e isso meio que me fez perder a graça. Contudo, o primeiro jogo/filme sempre foram meus favoritos, então tenho certeza que a autora conseguiu fazer um bom trabalho, principalmente por ter usado melhor os personagens que, como você disse, à época não tinham muitos recursos de exploração nos jogos.

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor - http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Luciano, tudo bem? Nunca tive vontade de jogar, mas acho bem interessantes essas adaptações de jogos para livros, acho que dá para ter uma noção maior da imensidão do universo e conhecer melhor as personalidades dos personagens. Que bom que a autora fez um bom trabalho, apesar de algumas situações terem saído um pouco forçadas. (Saudades playstation 1)

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  9. É isso comecei a dar uma chance aos livros de Zumbis a pouco tempo, e ainda ão incluí "Residente Evil", eu não assisti nem os filmes não consegue , e confesso que acredito mesmo que eu não vá ler esse livro.

    ResponderExcluir
  10. Eu adoro Resident evil, já assisti a todos os filmes lançados, e estou louca para ler os seis livros, mas eu tenho uma mania de quando é serie eu ter todos os livros para depois ler, já consegui esse primeiro e estara chegando aqui na semana que vem, mas ainda não consegui os outros, adoro essa coisas de zumbis

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!