Tecnologia do Blogger.

24/11/2015

RESENHA - Memórias de uma gueixa (Arthur Golden)

Arthur Golden
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: GOLDEN, Arthur. Memórias de uma gueixa. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2015. Tradução: Lya Luft. 446 páginas.
Gênero: Ficção histórica.
Temas: Gueixas, tradição, Japão.
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Norte-Americana.
Ano de lançamento: 1997 nos Estados Unidos; 2005 no Brasil (pela Editora Imago).















“Ouvi dizer que a semana em que uma jovem se prepara para debutar como gueixa aprendiz é como quando uma lagarta se transforma em borboleta. É uma analogia encantadora, mas não consigo imaginar o porquê dela. Uma lagarta só precisa tecer seu casulo e cochilar algum tempo e, no meu caso, sei que nunca tive uma semana mais cansativa. O primeiro passo foi mandar arrumar meu cabelo como o de uma gueixa aprendiz, no estilo ‘pêssego partido’ que já mencionei antes."
*Memórias de uma gueixa (pág. 174).


                Uma pequena garotinha morava numa humilde casinha torta de madeira - ou casinha bêbada, como ela a apelidara - em uma imunda e provinciana aldeia de pescadores de nome Yoroido. Ali vivia com seu pai idoso, sua mãe doente e sua irmã  seis anos mais velha.  Chiyo era o seu nome e seus olhos eram de um cinza translúcido, muito raros num país onde todos tinham olhos negros como a noite. Quando a doença de sua mãe piorou e o médico disse já não lhe restar muito tempo, um encontro com um rico e instruído comerciante de peixes mudou sua vida para sempre. Encantado com a beleza da pequena Chiyo, o comerciante convenceu seu velho pai que o melhor seria enviar as meninas para Kioto para tornarem-se gueixas. E então elas foram vendidas, arrancadas de seu lar e de sua família  e enviadas para uma vida diferente de tudo que conheciam. E foi assim que a pequena Sakamoto Chiyo iniciou sua árdua e sofrida trajetória para se tornar Nitta Sayuri, uma das mais belas e famosas gueixas de Gion.
                Engana-se quem pensa que a vida de uma gueixa se resume a saquê, cerimônias do chá, danças, festas e beleza.  A vida de uma gueixa é cercada de mistérios, rituais e superstições que elas não costumam confiar nem mesmo aos seus maiores benfeitores. Sobretudo, a vida de uma garota até se tornar verdadeiramente uma gueixa é muito, muito rígida, dura e sofrida. E a vida da pequena Chiyo não foi nada fácil.
                Arrancada de seu lar aos nove anos, confusa e assustada, logo ao chegar em Gion foi separada de sua irmã e vendida à Okiya Nitta. E logo em seu primeiro instante em seu novo lar, conquistou, sem que desse motivos para tanto, o ódio de Hatsumomo, a gueixa daquela okiya que viu na pequena garota uma rival em potencial. Daquele dia em diante, a vida de Chiyo foi ainda mais sofrida do que já tinha sido. Como toda garota comprada para ser uma gueixa, ela teria que pagar um dia pelas despesas reverentes a sua aquisição, alimentação, vestuário, aulas, eventuais despesas médicas e tudo o mais que a dona da okiya viesse a investir em sua criação e formação. E o primeiro pagamento seria através de seu trabalho braçal. E então à pequena Chiyo foram relegadas as duras condições de vida de uma criada e, pelo que dependesse da vontade e do esforço de Hatsumomo, teria continuado assim por toda a vida. Mas, contra todas as agruras e todo o pesar por seu destino imposto, algo aconteceu e novamente mudou o rumo de sua vida: ainda adolescente, na casa dos 12 anos, ao ser tratada com bondade e delicadeza por um homem na rua enquanto chorava de amargura, Chiyo conheceu o amor. E por amor a esse desconhecido e desejando poder ser digna de novamente receber a atenção daquele homem, pela primeira vez na vida ela desejou tornar-se uma gueixa. E então, e somente então, ela se esforçou ao máximo, agarrou-se firmemente a todas as oportunidades que surgiram depois  e fez tudo o que estava ao seu alcance para ser uma gueixa e poder um dia reencontrar o homem que arrebatara seu coração.

             "Naquele breve encontro com o presidente, eu passara de uma menina perdida, enfrentando uma vida vazia, para uma menina com um objetivo. Pode parecer estranho que um encontro casual na rua tivesse provocado tal  modificação. Mas a vida às vezes é assim, não é?"
*Memórias de uma gueixa, pág. 123

                Memórias de uma gueixa é um relato fascinante de um tradição cultural japonesa ainda muito obscura aos olhos ocidentais. Tidas pelo Ocidente como prostitutas de luxo, as gueixas estavam muito longe disso. Todos os aspectos da vida dessas mulheres – maquiagem, penteados, vestimentas, gestos – eram pautados por rígidas regras. A trajetória da pequena Chiyo até se tornar Sayuri serve como pano de fundo para esquadrinhar essa antiga tradição.  O livro descreve as várias etapas da vida e do treinamento de uma gueixa (criada, noviça, gueixa aprendiz, gueixa veterana); suas inúmeras superstições; os vários rituais (a ligação com uma "irmã mais velha", a troca de nome, o mizuage, a ligação com um danna); as muitas artes que elas dominam e executam com beleza e leveza singular. Através da história de Sayuri , o leitor é apresentado ao peculiar modo de vida das gueixas e também a um considerável trecho da História Japonesa. É mostrado, por exemplo, o gradual agravamento da crise antes da 2ª Guerra Mundial e o severo racionamento durante o conflito, algo que causou um grande impacto na vida de todos os japoneses.
                Narrado em primeira pessoa, o livro é uma espécie de autobiografia contada pela própria Sayuri e transcrita pelo autor, o mesmo artifício usado por Anne Rice em seu "Entrevista com o vampiro". Embora pareça tratar-se da biografia de uma pessoa real, o livro é, na realidade, uma obra ficcional, detalhe esse que somente fica indubitavelmente esclarecido ao final do livro, nos agradecimentos. Sayuri, a personagem-narradora, foi inspirada numa gueixa real chamada Mineko Iwasaki. O autor se valeu dos relatos da própria Mineko bem como de uma extensa pesquisa para construir seu romance. Obviamente, pela postura sigilosa acerca de seus costumes comumente adotada pelas gueixas, é possível e bastante provável que haja ainda alguma incongruência nas descrições de sua cultura. Mas isso é algo que somente um profundo conhecedor do assunto poderia apontar.
                Golden se esmerou na criação de sua protagonista. Ao tomá-la como narradora de sua própria história, ele tentou traduzir em suas palavras um pouco da sutileza e do encanto das gueixas. E o fez com maestria. O livro é deliciosamente agradável de ler. Tem uma prosa serena e singela, temperada com a sutileza filosófica tão própria dos orientais. Os termos em japonês (okiya = casa onde vivem as gueixas; mizuage = primeira relação sexual de uma moça; etc.) são devidamente explicados ao longo do texto deixando confortável mesmo o leitor menos habituado à cultura japonesa. A revisão está impecável e a formatação simples e precisa. A capa é de uma beleza extraordinária, daquelas que prendem os olhos e os mantém cativos por um bom tempo. Um único porém: sendo de um preto fosco, seu acabamento aveludado é agradabilíssimo ao toque, mas mancha com imensa facilidade, sendo impossível evitar as marcas de dedos ao menor manuseio.
                Arthur Golden nasceu no Tennessee, EUA, e se formou em História da Arte, com especialização em Arte Japonesa, em Havard. Fez mestrado em História Japonesa na Universidade de Columbia, onde também aprendeu mandarim. Após um verão na Universidade de Pequim, decidiu ir trabalhar em Tóquio. Atualmente, vive em Brookline, Massachusetts, com a mulher e os filhos. Com seu livro Memórias de uma gueixa, Golden encantou milhares de leitores por todo o mundo. A adaptação para o cinema trouxe ainda mais admiradores para sua obra.
                Este é um livro para quem nutre curiosidade pelas tão peculiares tradições japonesas. Sobretudo quem admira essa cultura irá encontrar nesse livro muitos conceitos e práticas familiares e muitas ainda inusitadas. Para os entusiastas de ficções-históricas, essa obra irá satisfazê-los sem sombra de dúvidas. E para quem se delicia com uma história bem construída e bem contada, essa é uma aposta certeira.
                            



Bibliografia de ARTHUR GOLDEN (ordem cronológica):

Livros:

  • Memorias de uma gueixa – Imago (2005), relançado com a capa do filme (2006); e Arqueiro (2015).

Postagem nº12: Clique na imagem para participar

Comentários
16 Comentários

16 comentários:

  1. Não tenho interesse pela cultura japonesa. Claro que não fico totalmente fechada a isso, já que gosto de conhecer coisas novas, mas o livro também não me interessou, acho que seria bem chato pra mim e eu acabaria abandonando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Giovana
      Sério? Acho a cultura japonesa tão exótica e intrigante que sou apaixonada por ela desde criança! Gosto demais e quando vi esse livro me inteinteressei no ato. E gostei bastante! Não só pela Cultura em si, mas pela forma que o autor escreve, entende? Ele tem um lirismo na forma de escrever que me encantou.

      Mas tenho que concordar contigo. Quando uma coisa não nos interessa, não adianda a melhor prosa do mundo.

      Excluir
  2. Olá
    Eu gosto de historias assim de gueixa, Já li varias, e essa me impressionou pelo fato que ela é narrada, acho que é um livro que eu arriscaria, e que traria bastante emoção para me. Sua resenha está ótima, entendi perfeitamente o que o livro quer dizer a cada fala falada que os personagens obtém.


    http://garotinhaadolescentea.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Kátia
      Se não leu ainda, leia. Aposto que vc vai gostar. Tem muita coisa que eu não sabia sobre o universo das gueixas. Só tenho uma palavra: fascinante!

      Excluir
  3. Oii
    Adorei a resenha! Já me indicaram esse livro e no começo deixei pra lá, mas faz um tempo que dei uma pesquisada melhor nele e percebi que preciso ler.

    Coração Leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jessica.
      Vc super precisa ler. E super precisa me contar o que achou!

      Excluir
  4. Olá!!
    Eu amos saber sobre outras culturas, sempre que vejo livros que nos leva a vivenciar e conhecer uma cultura diferente eu não dispenso a leitura, e as gueixas e a cultura japonesa sempre me despertou grande curiosidade quero muito ler esse.
    Bjocas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rose,
      Como eu disse pra Giovana ali encima, sou apaixonada pela cultura japonesa desde criança. Coisas exóticas exercem um fascínio natural em mim. É irresistível!

      Excluir
  5. Olá!
    Quero muito ler esse livro. Eu o emprestei da minha cunhada, mas não pude me dedicar à leitura dele naquela época. Eu aprecio muito a cultura japonesa e já li uma obra, de gênero sobrenatural terror, que trazia um pouco a realidade das gueixas. Uma triste realidade. Já ouviu falar de Kaori - Perfume de Vampira? Vale a pena nesse sentido... A autora é brasileira, mas por ser japonesa possui informações privilegiadas que enriqueceram o enredo. Enfim, gostei de você mencionar que a obra tem uma narrativa que te faz acreditar ser uma biografia. Dá para notar que é um livro bastante envolvente.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Francine.
      Acredita que passei o livro inteiro pensando que era uma biografia? Só descobri que não era no final. O autor foi muito convincente.

      Quanto ao Kaor, eu conheço sim. Até já estive cara a cara com a autora. Mas ainda não li. E olha que junta duas coisas que amo: Japão e vampiros!

      Excluir
  6. Oi Helkem, tudo bem? Eu recebi esse livro mas foi a Brenda que leu e ela adorou. Acho a cultura japonesa muito bonita. Acho que depois vou pedir emprestado pra Brenda.
    Sei que tem o filme desse livro. Já assistiu? Parabéns pela resenha.

    Beijos
    Leitora sempre

    ResponderExcluir
  7. OIe, tudo bem!?
    Poxa, que resenha linda, parabéns!
    Eu amo demais esse livro e amo o filme também, mesmo o livro tendo mais detalhes que o filme, eu não tenho como escolher um ou outro! É uma história fascinante, amo demais todos os elementos do livro e ter a oportunidade de reler nessa edição linda da Arqueiro foi demais!
    Beijos

    LuMartinho | Face | Sorteio de Natal

    ResponderExcluir
  8. Oi Amiga Helkem. Adorei o seu blog. Esses livros não me enchem os olhos. Mais eu amo ler, amo romance. Sou uma leitora compulsiva. Não consigo ficar sem ler. Parabéns pelo blog, vou divulgar no meu grupo de leitoras que tenho. Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Eu já assisti três vezes o filme e sempre quando vejo tem algo que havia deixado passar. A vida de uma gueixa é chocante para nossa cultura, mas também desperta muito curiosidade. Eu ainda não li o livro, mas pretendo ler em breve. A cultura japonese tam vários aspectos que despertam minha curiosidade. Desde as lanternas, a comida, as artes marciais, a literatura...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Achei muito linda a capa do livro, porém já lendo a resenha o livro não me conquistou, não leria o livro agora talvez em outra oportunidade.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Helkem. Eu não me interessei a principio pelo livro por ser uma espécie de autobiografia. Mas, fui surpreendido com o teor dele. Certamente, este livro nos apresenta uma vasta rede de conhecimentos, repleto de curiosidades e fatos verídicos sobre a cultura japonesa e outros tipos de conhecimento, Memórias de Uma Gueixa foi curioso. Mas, o ponto forte do livro mesmo é o relato sobre as gueixas, cativante.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!