Tecnologia do Blogger.

23/05/2014

O Diabo




Tinham metido tantas caraminholas na cabeça da pobre Luizinha, que a coitada, quando, às dez horas, apagava a luz, metida na cama, vendo-se no escuro, tinha tanto medo, que começava a bater os dentes... Pobre Luizinha! Que medo, que medo ela tinha do diabo!
Um dia, não pôde mais! E, no confessionário, ajoelhada diante de padre João, abriu-lhe a alma, e contou-lhe os seus sustos, e disse-lhe o medo que tinha de ver uma bela noite o diabo em pessoa entrar no seu quarto, para a atormentar...
Padre João, acariciando o belo queixo escanhoado, refletiu um momento. Depois, olhando com piedade a pobre pequena ajoelhada, disse gravemente:
 Minha filha! Basta ver que está assim preocupada com essa ideia, para reconhecer que realmente o Diabo anda a perseguí-la... Para o tinhoso amaldiçoado assim é que começa...
 Ai, senhor padre! Que há-de ser de mim!? Tenho a certeza de que, se ele me aparecesse, eu nem forças teria para gritar...
 Bem, filha, bem... Vejamos! Costuma deixar a porta do quarto aberta?
 Deus me livre, santo padre!
 Pois, tem feito mal, filha, tem feito mal... Para que serve fechar a porta se o Amaldiçoado é capaz de entrar pela fechadura? Ouça o meu conselho... Precisamos saber se é realmente ele que quer atormentá-la... Esta noite, deite-se, e reze, deixe a porta aberta... Tenha coragem... Às vezes, é o Anjo da Guarda que inventa essas coisas, para experimentar a fé das pessoas. Deixe a porta aberta esta noite. E, amanhã, venha dizer-me o que se tiver passado...
 Ai, senhor padre! Eu terei coragem?...
 É preciso que a tenha... é preciso que a tenha... vá... e, sobretudo, não diga nada a ninguém... não diga nada a ninguém...
E, deitando a bênção à rapariga, mandou-a embora. E ficou sozinho, sozinho, e acariciando o belo queixo escanhoado...
E, no dia seguinte, logo de manhã cedo, já estava o padre João no confessionário, quando viu chegar a bela Luizinha. Vinha pálida e confusa, atrapalhada e medrosa. E, muito trêmula, gaguejando, começou a contar o que se passara...
 Ah! Meu padre! Apaguei a vela, cobri-me toda muito bem coberta, e fiquei com um medo... com um medo... De repente, senti que alguém entrava no quarto... Meu Deus! Não sei como não morri... Quem quer que fosse, veio andando devagarinho, devagarinho, devagarinho, e parou perto da cama... não sei... perdi os sentidos... e...
 Vamos, filha, vamos...
 ...depois quando acordei... não sei, senhor padre, não sei... era uma cousa...
 Vamos, filha... era o Diabo?
 Ai, senhor padre... pelo calor, parecia mesmo que eram as chamas do inferno... mas...
 Mas o que, filha? Vamos!...
 Ai, senhor padre... mas era tão bom que até parecia mesmo a graça divina...

Olavo Bilac

Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Conto muito interessante! Me fez pensar até que ponto as pessoas podem ser hipócritas, arranjando desculpas sobrenaturais para justificar seus desvios de caráter. Incrível perceber como isso ainda é corriqueiro. Sempre tem alguém para por a culpa no "Diabo" pelos seus fracassos ou crimes, deixando de assumir a responsabilidade pelo que fez ou deixou de fazer.

    Abraços. Bom fim de semana.

    Leituracast

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!