Tecnologia do Blogger.

02/07/2016

RESENHA - Profundo (Robin York)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: YORK, Robin. Profundo. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2016. 320 páginas.
Gênero: Ficção. Romance. Drama
Temas: Vingança pornô. Superação.
Categoria: Literatura Estrangeira.
Ano de lançamento: 2016.








“Cliquei no link. Acho que parte de mim já sabia. Porque ser uma boa moça significa passar a vida toda desenvolvendo um radar bastante preciso para detectar qualquer coisa capaz de fazer com que as pessoas nos amem menos. Garotas como eu – ou como eu era em agosto – se alimentam de aprovação. Nós vivemos para isso. Então, quando fazemos algo idiota – ou, digamos, algo inacreditavelmente estúpido -, nós sabemos disso.”
*Profundo (pág. 6).

Uma garota cheia de sonhos e um garoto pobre que só quer garantir um futuro para a irmã mais nova. Entre os dois, uma relação inesperadamente inapropriada. West Leavitt queria terminar a universidade e continuar ganhando alguns trocados com os dois trabalhos e o passatempo ilegal de vender maconha. Caroline Piasecki é uma menina comum que vê o mundo desabar quando o ex-namorado Nate espalha fotos íntimas dos dois pela internet.
Em meio ao desespero por ter a imagem de boa moça manchada, Caroline esbarra com West mais uma vez no campus de Putnam College. A amizade improvável e sentimentos começam a surgir entre os dois. Será que Caroline conseguirá passar por cima de tudo que acredita para ficar com o garoto do interior, e West será capaz de abrir o coração, pela primeira vez?
“Profundo” é daqueles livros que te arrancam – sem o menor pudor – da zona de conforto e te jogam em uma realidade que antes parecia distante. Caroline Piasecki vive o que todos (ou grande parte) temem enfrentar um dia – e isso, meus caros leitores, não tem nada a ver com fotos na internet. É muito mais profundo. É o medo, a angústia, o rancor e a raiva ao ser traído por alguém.
Ela era uma garota normal, sempre viveu de acordo com as regras da sociedade; nem recatada nem atrevida demais. Caroline decidiu terminar o namoro sufocante que tinha com Nate de uma forma amigável, e tudo parecia caminhar bem. Meses depois, fotos que ele tirara dela nua em momentos de intimidade entre os dois foram parar na internet. Caroline, então, passa a superar os dias sob as ameaças e ataques de desconhecidos.
O que Caroline viveu é classificado de vingança pornô, ou seja, quando alguém divulga fotos ou vídeos íntimos sem o consentimento de quem está nas imagens. É impossível mensurar o alcance do vazamento na internet, por isso é importante tratar do tema para que haja menos vítimas ou que estas saibam como agir nesses casos. De acordo com o site Wikipédia é “uma expressão que remete ao ato de expor na internet fotos e/ou vídeos íntimos de terceiros sem o consentimento dos mesmos, geralmente contendo cenas de sexo explícito que mesmo quando gravadas de forma consentida, não tinham a intenção de divulgá-las publicamente. Após o fim do relacionamento, uma das partes divulga as cenas íntimas na internet como forma de "vingar-se" da pessoa com quem se relacionou”.
Tem tantas coisas que eu não sei se conseguirei recuperar – continua Caroline, baixinho. – Quero dizer... eu entendo o que você está falando. Entendo que a vida não acaba por causa de umas fotos na internet. Mas, de alguma forma, acaba, sim, sabe? Porque agora tudo o que as pessoas disserem é parte de mim.” Pág. 131

Robin York é uma grande autora. Digo isso porque a obra fala sobre um tema difícil de ser tratado e ela soube transformá-lo em uma grande história. É complicado nomear todos os acertos de Robin; os diálogos empolgantes e personagens com bastante carga emocional são alguns itens que estão no topo da lista. A forma como Caroline, uma garota que vivia em um mundinho perfeito, enfrenta as consequências de um ato estúpido do ex-namorado é fascinante. No início, ela fica triste e obcecada – em vão – em excluir suas fotos que estão espalhadas por sites, não consegue dormir e nem andar sozinha por alguns lugares da faculdade porque teme ser atacada por alguém. As vozes na cabeça dela incentivam pensamentos depressivos e, a todo instante, Caroline peleja para não cair em tristeza profunda.
Com o apoio da melhor amiga, Bridget, e o suporte nada sutil de West, a protagonista consegue, aos poucos, se livrar do medo – e das consequências – de ser quem é. A trama é apaixonante do início ao fim. O desenrolar do romance de West e Caroline, a luta dela para destruir os próprios pensamentos depressivos e as cenas com o ex-namorado são impressionantemente belas. A autora utiliza palavrões e palavras que nada encobrem a raiva, o ódio e o amor que os personagens sentem. Confesso que, no início, me assustei com o modo intenso e desinibido que Robin construiu e costurou todo o enredo – isso contribuiu para a abordagem de um tema que precisa ser discutido.
“Profundo” é narrado em primeira pessoa pelos dois personagens principais, Caroline e West. Os capítulos são intercalados com a perspectiva de cada um, seguindo uma sequência cronológica, havendo poucos pontos de vista sobre um mesmo episódio. O livro é bem fluido e o foco narrativo é a superação de Caroline após a divulgação indevida das fotos íntimas na internet. A relação temporal da trama é linear e há algumas analepses durante a obra para nos explicar acontecimentos que influenciam no desenrolar do enredo.
A edição gráfica do livro é simples, mas não menos elegante. Os capítulos são bem divididos e a editora usou duas fontes diferentes, uma no início de cada divisão e a outra no restante. A capa é puramente linda; as cores dialogam entre si e os modelos que estampam a fachada por trás do título são de aparência formidável.
“Profundo” é o primeiro livro da duologia “Caroline e West”. O segundo, “Intenso”, foi lançado pela Arqueiro juntamente com a obra que abre a série. “Intenso” dá continuidade à história do casal, com outros dilemas e intrigas, pouco tempo depois do acontecimento que encerra a primeira obra.  Em breve a resenha da segunda estará aqui.
A autora Robin York tem o pseudônimo Routhie Knox, pelo qual publicou best-seller do jornal The New York Times e foi indicada ao prêmio RITA. “Profundo” inaugura a inserção da autora em publicações de livros para o que chama de jovens adultos.
Indico a obra de Robin York para todos – tanto homens quanto mulheres – como forma de conhecerem como um ato irracional pode afetar vidas. Os adultos precisam ler “Profundo” para aprenderem junto com Carolina e West que nunca é tarde para ser jovem. Os protagonistas nos ensinam que mesmo quando a vida se torna maçante a esperança deve estar presente em todos os momentos, porque sem ela não há sentido para seguir adiante. 

Bibliografia de ROBIN YORK (ordem cronológica):

Livros:

  • ·    Profundo – Arqueiro (2016).
  • ·    Intenso – Arqueiro (2016).
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Oi Isadora, esse livro está na minha lista já faz algum tempo, principalmente por causa do tema central, mas infelizmente ainda não tive oportunidade de ler. E pelo que pude ler na sua resenha, a autora soube dosar tudo muito bem, e ele parece ser um livro literalmente profundo. Espero poder ler em breve, Beijo!

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!