Tecnologia do Blogger.

27/09/2016

Resenha – O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares (Ransom Riggs)

OBSERVAÇÃO
Resenha elaborada por Lucas Freitas e gentilmente cedida para a Academia Literária-DF.

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: RIGGS, Ransom. O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares. 2ª edição. São Paulo, Editora Leya, 2015. Tradução: Edmundo Barreiro e Marcia Blasques. 336 páginas.
Gênero: Ficção fantástica.
Temas: Mistério, magia, suspense, aventura.
Categoria: Literatura estrangeira.
Ano de lançamento: 2015
Série: O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares (Livro 1); Cidade dos etéreos (Livro 2); Biblioteca de almas (Livro 3).




“As estrelas também eram viajantes do tempo. Quantos daqueles pontos de luz antigos eram ecos de sóis atualmente mortos? Quantas tinham nascido, mas sua luz ainda não chegara tão longe? Se todos os sóis menos o nosso fossem destruídos hoje, quantas gerações se passariam até que percebêssemos estar sozinhos? Sempre soube que o céu era cheio de mistérios, mas só naquela noite me dei conta da quantidade deles que havia na Terra também. ”
*O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares (pág. 323).

              Jacob, um rapaz de 15 anos, tinha sua rotina marcada por uma longa e sagrada tradição familiar: um trabalho em uma Smart Aid, empresa de seus tios que formava um grande “império” pela Flórida. Entretanto, os dias de serviço na empresa que lhe traçava um destino de sucesso não traziam qualquer alegria ou satisfação, levando Jacob a iniciar uma campanha de autossabotagem a fim de conseguir uma demissão que parecia impossível por ser membro da família dona do negócio. A sensação de monotonia e falta de sentido presente no jovem contrastava drasticamente com as histórias que ouvia de seu avô desde a infância, Abraham Portman, com quem ele mantinha uma relação especial.
              Abraham escapou da Polônia durante a Segunda Guerra Mundial. Aos dozes anos foi enviado por seus pais para a Inglaterra com uma mala e as roupas do corpo com a esperança de fugir dos perigos da guerra. Encontrou abrigo em um orfanato no País de Gales, orfanato este que, segundo Abraham, era encantado: o lugar abrigava crianças com habilidades especiais, como uma garota que podia voar e um menino que tinha abelhas vivendo dentro dele, por exemplo; todos debaixo da tutela de uma ave velha e sábia que fumava cachimbo e os defendia de terríveis monstros. Além das palavras encantadoras, Abraham possuía provas documentais: algumas fotos das tais crianças. Com o passar dos anos, o encanto de criança de Jacob sobre as histórias de seu avô se tornou ceticismo. Mas o jovem ainda guardava certa inveja da vida de aventuras vivida por seu avô em sua luta por sobrevivência durante a guerra.
              Mas a vida comum de Jacob acaba sendo marcada por uma impactante tragédia familiar, um evento que além da dor e pesar habituais, apresenta ao jovem um intrigante mistério. Com o apoio de seu psiquiatra, o dr. Golan, ele viaja ao País de Gales a fim de desvendar o mistério em uma aventura em busca do orfanato presente nas histórias de seu avô. Ao encontrar apenas ruínas, Jacob descobrirá que o tempo guarda mistérios um tanto peculiares.
              O Orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares estabelece um universo fantástico autêntico e criativo. Ransom Riggs abre mão do uso de figuras comuns das histórias fantásticas – como fadas, feiticeiros ou fantasmas – expressando originalidade na criação de novos conceitos como o de pessoas peculiares – pessoas que nascem com habilidades singulares – e etéreos – peculiares rebeldes que se tornaram monstros assassinos vazios em seus corações e almas, invisíveis aos olhos das pessoas em geral. E o autor acertou em cheio em sua aposta.
          A obra possui uma atmosfera sombria fomentada não apenas pela escrita, mas também pela presença de fotografias. Riggs possui declarada paixão pela arte da fotografia e a utiliza de forma excepcional em seu livro, levando os leitores a uma profunda experiência estética. As fotos estão distribuídas por todo o livro, representando personagens e situações descritas na narrativa, como as crianças peculiares das histórias que Abraham contava a Jacob, todas com um aspecto antigo e grotesco que remete aos antigos filmes B de horror, ricos em efeitos práticos, despertando no observador uma certeza da ‘’falsidade’’ da cena ao mesmo tempo que intriga, inquieta e transmite um sentimento de que há algum mistério que passa despercebido aos olhos. Um fato interessante é que as imagens usadas pelo autor são fotos antigas reais (algumas passaram por leve tratamento) emprestadas por colecionadores ou recolhidas de sua coleção pessoal.

“Até meu avô, que tinha enchido minha cabeça com histórias de monstros com tentáculos no lugar da língua, era sábio o bastante para perceber que imagens como essas provocariam pesadelos em crianças.”
*O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares (pág. 44).

Uma das fotografias presentes no livro

            Os personagens são construídos sob uma perspectiva completamente humana. Jacob não é um herói virtuoso e inabalável, mas um jovem inseguro, cheio de temores e dúvidas, com uma relação fria com seus pais, mas que anseia por algo melhor. Sua jornada é envolta de mistérios e incertezas, muitas vezes ele não sabe para onde ir e tampouco tem ideia do que lhe aguarda. Mas é em meio às fraquezas e incertezas que vemos Jacob amadurecer.
              A obra é escrita em primeira pessoa com uma relação de tempo linear. A riqueza de detalhes na descrição dos cenários é notável, facilitando a imersão do leitor no universo da história. A narrativa é focada em grande parte nas reflexões e sentimentos de Jacob sobre os eventos de que participa, tendo um fluxo mais lento. O foco em Jacob acaba deixando alguns personagens pouco explorados, alguns têm participação tão inexpressiva que suas ausências não trariam qualquer perda à história. A ação dinâmica está presente em pequena quantidade. Particularmente gosto de histórias mais reflexivas, mas isso pode incomodar quem gosta de aventuras mais dinâmicas. Os detalhes físicos do livro fazem dele uma peça bela: páginas enfeitadas para a separação entre capítulos, folhas amareladas, boa diagramação, fonte agradável, enfeites no rodapé das páginas, além das fotos já citadas que passeiam entre o belo e o assustador, sendo uma delas estampada na própria capa.
           Ransom Riggs nasceu e cresceu na Flórida e vive atualmente em Los Angeles. Estudou literatura no Kenyon College em Ohio e cinema na Escola de Cinema e TV da Universidade do Sul da Califórnia. Além de blogueiro, é apaixonado por viagens, fotografia e colecionar fotos antigas, possuindo uma obra literária que une as suas diversas áreas de interesse de forma única.
           Indico este livro aos fãs de ficção fantástica em geral. É importante ressaltar que a história possui uma atmosfera sombria com momentos de tom mais pesado. Não há terror ou violência excessiva, mas não comece a ler este livro esperando uma história leve e alegre do início ao fim. Essa é uma história estranha, intrigante e extremamente autêntica. E exatamente por isso é inesquecível!

Bibliografia de RANSOM RIGGS:

Livros:
  • Orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares – Leya (2015)
  • Cidade dos etéreos Intrínseca (2016)
  • Biblioteca de almas – Intrínseca (2016)
  • Contos peculiares – Intrínseca (2016)
  • Talking pictures – ainda não publicado no Brasil

Top comentarista nº16: Clique para participar

Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Apesar de não curtir muito livros sombrios, confesso que estou bastante curiosa em relação a esse.
    Estou vendo muitos comentários positivos sobre a obra e isso tem me feito ficar ainda mais interessada.
    Uma história inesquecível? UAU!
    Mal vejo a hora de conhecer a obra.
    Espero que em breve :) Adorei a resenha!
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Quando vi pela primeira vez tinha até achado que era terror. Mas aí fui ver umas resenhas e não é que a história parecia boa? Do tipo que adoro ler.
    Ela é bem criativa mesmo e um tanto diferente. As fotos dão um charme a mais, uma coisa pra fazer você imaginar aquilo e fica com cara de real até.
    E os personagens parecem que são muito bem feitos. A história é viciante.
    Tem tudo pra ser do tipo de favorito pela vida, de ler e reler e ainda amar demais.

    ResponderExcluir
  3. Oi Luciano,
    Tenho muita curiosidade de ler esse livro, pois adoro histórias com muito suspense e mistério, e esse parece ser uma aventura e tanto, com certeza será uma leitura bem prazerosa e peculiar. As fotos que estão presentes no livros são incríveis!
    Tinha me programada de ler o livro antes do lançamento do filme, mas infelizmente não rolou.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li, mas resenhas é só o que encontramos por aí, achei a capa linda não só desse mas dos outros dois também. Gostei do enredo super diferente de muitos outros livros que encontramos aí, e nesse sentido eu já gosto, porque tem tanta coisinha mais do mesmo que nem sei como ainda conseguem vender. Me deixou muito curiosa a questão daa fotos, já quero colecionar essa série!

    ResponderExcluir
  5. Ola, tudo bom?
    Eu quero muito ler o livro, mesmo ele sendo meio diferente do que estou acostumada a ler, ele pelo visto tem uma pegada sombria, só pela capa dá para notar, e achei super interessante que o autor inovou na criação dos dons que eles possuem, espero ler em breve e irei ver o filme.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!