Tecnologia do Blogger.

22/04/2017

RESENHA- A parede branca do meu quarto (Marina Oliveira)

 Ficha técnica:
Referência bibliográfica: OLIVEIRA, Marina. A parede Branca do meu quarto. 1ª edição Brasília, Thesaurus, 2015. 382 páginas.
Gênero: Jovem adulto
Temas: Futuro juvenil, ensino médio, juventude brasiliense, amor, família, paz interior
CategoriaLiteratura brasileira
Ano de lançamento: 2015














“Chorava por coisas quem nem pareciam ter tanta importância.Mas tinham.”
*A Parede Branca do meu quarto (pág.197).

Essa obra literária conta a história da Mariana, uma menina que está indo para o terceiro ano do Ensino Médio em um colégio novo por conta de um vídeo onde ela aparece dando um surto psicótico durante uma prova. O tal vídeo tomou uma proporção tão grande que o fato vira a vida da garota de cabeça para baixo, além de ficar conhecida como a Lunática do PAS, Mariana acaba por se afastar do melhor amigo e tem que se adaptar à nova escola. As coisas realmente ficam complicadas e no livro veremos como essa garota passa por tudo isso e o mais importante, como ela muda diante dos acontecimentos.
Sobre a protagonista, primeiramente gostaria de dizer que nos capítulos iniciais tive vontade de esganá-la. Em seus primeiros dias na escola nova a garota, que é a própria narradora, se mostra muito arrogante, como se fosse superior devido à sua inteligência acima da média. Felizmente, esta é somente uma primeira impressão, muito bem elaborada pela autora, inclusive, já que ao longo dos capítulos ela nos mostra quais partes dos pensamentos de Mariana são inseguranças e quais delas fazem parte da sua real essência. Com o tempo, acreditem, vocês se colocarão no lugar da Mariana, ou melhor, se identificarão com os dilemas que ela está vivendo. 
Quanto aos outros personagens, sua família é muito presente na história, o que eu, particularmente, acho um ponto extremamente positivo e essencial para o desenrolar da trama. Dentre os integrantes dessa família temos o irmão da Mariana, Lucas, que como a própria vai nos cativando aos poucos; a Carla, mãe da dona Mariana, que acaba por ganhar destaque mais para o final do livro; e a Vó Fatinha, de longe a personagem mais carismática de todas, apaixonante, quem não gosta de uma avó que vê além do superficial, que nos dá um afago e também nos leva à realidade de forma sutil? A Vó Fatinha é assim, e ainda por cima traz um pensamento fantástico para o livro, o de que não há distinção entre as religiões. Se elas estiverem no seu coração, há espaço para todas as culturas e pensamentos. Para vocês entenderem melhor, a Vó Fatinha frequenta todos os cultos, de todas as religiões que vocês possam imaginar, ela tem amigos de todos os tipos. Dentro da família ficou faltando comentar apenas do pai da Mariana. Ele representa um certo mistério dentro da história, e a garota em sua narração sempre fala dele com um certo rancor por ele ter deixado a família. Mas quem for ler o livro verá que as coisas nem sempre são como aparentam ser.
Agora comentando sobre os colegas de Mariana nesta trama, temos a Lara e o Maurício como principais na nova escola e o Ian, o amigo de quem ela se distanciou. O que dizer da Lara? Ela é quebra de padrão, eu arriscaria dizer, linda, rica, de cabelos cacheados, morena e fã de bandas coreanas. Lara é realmente uma garota incomparável e fará Mariana conhecer novas facetas de si mesma. Maurício, por sua vez, é um garoto que conquista desde o início, todo na dele, estiloso (cabelo grande) e transparece uma certa segurança. O Ian é uma peça-chave do surto que Mariana deu durante o PAS (programa de avaliação seriada), um certo segredo dele foi descoberto e isso fez Mariana se afastar de quem outrora era seu melhor e único amigo. Ainda sobre o Ian, digo que ele é o personagem de quem eu gostaria de ler mais no livro, mais retalhos dessa amizade poderiam dar um bom toque a este personagem.

O desenvolvimento da história ocorre em um tempo perfeito, ponto de grande importância, pois é o que confere fluidez à leitura. Afinal, ninguém gosta de obras onde os acontecimentos se atropelam ou se arrastam. Ao longo dos capítulos a autora de fato nos prende, e ter que parar para dormir ou fazer qualquer outra coisa pode se tornar um problema. Algo que chama atenção são os títulos dos capítulos: além de servirem como lembretes do que ocorreu em cada um, eles também dão o tom, trazem um sentido a mais.
Com tudo o que disse dá para ver que é um livro que aborda bastante os assuntos como família, amizades e escola. Além disso, ela fala de algo primordial na vida de cada ser humano: o autoconhecimento. Não basta ser alguém, você precisa saber quem você é de verdade, suas limitações e qualidades.
Alguns diriam que se trata de um livro adolescente ou no máximo jovem. Eu digo que é um livro para todos que buscam conhecimento, para os que procuram entender os atos dos que estão ao redor e até mesmo os seus próprios, para os analíticos de plantão.
Se eu tenho mais para falar? Muito, mas quero que os leitores deixem-se envolver por este livro.
Nota à autora: Marina, tudo bem? Queria dizer que te conhecer me deu mais esperança de conseguir fazer perguntas sobre a dona Mariana e suas peripécias, mas gostaria que soubesse que o livro me cativou verdadeiramente, não elogiei pelo fato de ter a certeza de que leria esse post.  Você fez um belíssimo trabalho.



Bibliografia de MARINA OLIVEIRA:

Livros:

  • A Parede Branca do meu quarto - Thesaurus (2015)


É isso, pessoal. Espero que tenham gostado da minha resenha. Saibam que muitas outras estão a caminho.

Obs.: Bem, sempre existem as resenhas e postagens do meu blog pessoal: www.variavels.com

Beijão, até a próxima!!! 

Top Comentarista n°15: Clique para participar

Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Achei a premissa do livro bastante interessante.
    A protagonista tendo que superar certas coisas, o envolvimento da família, esse novo começo em outro escola, amigos novos e antigos... Gostei bastante dessa mescla.
    E acredito que a leitura seja bem envolvente, apesar de não conhecer a escrita da autora.
    Sua resenha me deixou bem curiosa!
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Caroline! Realmente a leitura é envolvente, super recomendo. Haha, fico feliz que tenha te deixado curiosa. ;)
      Beijos!

      Excluir
  2. Estou muito interessada em ler esse livro!
    Quero saber como ela lidou depois da confusão que teve e o recomeço na nova escola.
    Acho a capa bem legal e acredito que a leitura seja bem leve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rita! Você irá se surpreender com o desenrolar da história, é bem interessante. A capa também diz muito.
      Beijos!

      Excluir
  3. Sarah!
    Bom ver um livro que traz assuntos importantes como família e escola e o melhor é ver que a protagonista pode amadurecer em todo esse processo através do autoconhecimento.
    “A sabedoria é a única riqueza que os tiranos não podem expropriar.” (Khalil Gibran)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii, Rudy! Pois é, de longe esses foram os pontos que mais me deixaram feliz com o livro.
      Beijos!

      Excluir
  4. Oi Sarah,
    Quando estamos na adolescência, o menor problema se torna um grande obstáculo, agora imagina você passar por uma situação como a de Mariana e ter que mudar de escola e começar tudo de novo? Acho que seu ar de superioridade apresentado no inicio da trama é um mecanismo de defesa para não demostrar fraqueza e acabar sendo alvo dos alunos. Algo bem compreensível se formos considerarmos o que ela passou. Acredito que A parede branca do meu quarto é uma leitura bem envolvente que aborda temas sérios e bastante reais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gislaine! Exatamente, a personagem Mariana estava tentando se blindar afirmando a sua superioridade. Um livro real, é isso, tudo poderia ter acontecido.
      Obrigada por comentar, beijos! ;)

      Excluir

Deixe o seu comentário!