Tecnologia do Blogger.

24/01/2017

Resenha - A Perversa (Tarry Fisher)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: FISHER, Tarryn; tradução Chico Lopes. A Perversa. 1ª edição. Barueri, São Paulo: Faro Editorial, 2016. 256 páginas.
Gênero: Ficção.
Temas: Triângulo amoroso.
Categoria: Literatura estrangeira. Literatura norte-americana.
Ano de lançamento: 2016.
Série: Amor & Mentiras. A Oportunista (livro 1); A Perversa (livro 2); O Impostor (livro 3).








“Eu me virei para ver para onde ele olhara. Sabia que não deveria. Mas como poderia não fazê-lo? A resposta foi calara demais para mim. Ela me fez querer tapar os olhos e me esconder no abrigo da escuridão. Olivia era o alvo de seu olhar. Senti como se ele houvesse me deixado cair do mais alto dos edifícios. Despedaçada. Com todos os meus pedaços. Ele era um mentiroso. Um impostor. Eu quis desmontar no chão, ali mesmo, reconhecer minha derrota. Morrer e morrer novamente. Morrer e levar Olivia comigo. Morrer.”
*A Oportunista (pág. 211).

Ela voltou. Agora mais maldosa que antes. Depois de erguer Caleb Drake como um troféu e dar a ele um filho, Leah Smith percebe que esta não é a vida que lhe pertence. Depois do parto de Estella, o abismo que se abre entre o casal cresce. E Leah, pela primeira vez, percebe que nem tudo que nem tudo que se conquista vale a pena.
Olivia Kaspen, a outra ponta do triângulo amoroso, por outro lado, está bem casada e se sente amada. Apesar dos anos que se passaram, a advogada de sucesso ainda mexe com o coração de Caleb e com a cabeça de Leah.
Tarryn Fisher nos leva para os mais profundos pensamentos de Leah Smith, a ruiva que fez de tudo para fisgar Caleb Drake – o inglês terrivelmente apaixonado por Olivia – em “A Oportunista”, primeiro livro da trilogia Amor & Mentiras. Desta vez, conhecemos a alma da mulher que, de fora, parece horrivelmente má. Ao observarmos melhor a história dela, porém, percebemos que não passa de uma menina que não conseguiu fechar as cicatrizes abertas durante a vida. No início, dá raiva: Leah Smith acaba de dar luz à Estella, ruiva igual a ela. A mãe, porém, não tem nada de maternal e se refere a menina apenas como “o bebê”.  Vivenciamos o ódio, a pena e, depois, a compaixão.
Leah é como a moça que estampa o livro: obscura e deslumbrante

        A trama nos fascina pelo desenrolar inesperado dos fatos. A cada capítulo, uma nova descoberta. A introdução de Sam, o babá, enriquece a história: destemido, ele fala verdades que Leah não admite ou reconhece. Com diálogos ricos em emoção que dá entusiasmo ao leitor e utilização de linguagem coloquial – com direito a inúmeros palavrões –, Fisher soube conduzir esta história de forma empolgante. Ao término das páginas, devorar o próximo livro o mais rápido possível é o único desejo.
“Meu pai me deu um emprego de prestígio em sua empresa para provar quão pouco ele pensava no que eu realmente queria fazer. Meu namorado me dava sorrisos que não tinham reflexo em seus olhos. Minha mãe me dava um amor tão débil que parecia mais um desprezo coberto de açúcar. Se alguém houvesse se preocupado em dizer: Leah, tudo é coisa da sua cabeça... tudo que eu poderia fazer era me referir às três pessoas de minha vida que não queriam que eu, realmente, estivesse ao seu lado.” *A Perversa (pág. 149) 
 “A Perversa” é narrado em primeira pessoa, por meio da personagem Leah Smith. O livro é bem fluido e o foco narrativo é a vida de Leah e o amor obsessivo dela por Caleb. A relação temporal da obra é truncada – um capítulo dedicado ao passado e outro ao presente, de forma que os fatos do passado nos ajudam a interpretar melhor o que se passa no presente.
“Teria eu sabido no fundo de minha mente que era a segunda opção? Muita gente tem primeiros amores que realmente nunca terminam, mas como eu poderia ter percebido o grau de sua obsessão por Olivia? Que tipo de mulher sou eu se conscientemente me casei com um homem que não me amava? Ele é um impostor. Ele roubou minha vida; roubou a dela. Maldição, por que ainda estou pensando na vida dela?” *A Perversa (pág. 251)
Tarryn Fisher é cofundadora de um blog de moda e coautora da série Never Never, de Colleen Hoover. A autora do romance de Olivia Kaspen, Caleb Drake e Leah Smith mora em Seattle com a família. A trilogia “Amor & Mentiras” marca a entrada da autora no mundo literário.

Os livros da trilogia Amor & Mentiras

O triângulo amoroso criado por Tarryn Fisher é um verdadeiro soco de realidade naqueles que acreditam em sonhos de fadas. O mundo de mentiras, enganação e trapaças que envolvem o amor existe – e é isso que Fisher nos mostra. Ao conhecer a trilogia, embarcamos em uma montanha russa de emoções. O leitor que gosta de calmaria e romances perfeitos não se dará bem com estes livros. Acredito que é essencial ler a trilogia na ordem para entender os fatos; apesar de cada obra apresentar o ponto de vista de um dos três protagonistas, há uma ordem cronológica. Por fim, sejam bem-vindos ao mundo cruelmente verdadeiro de Fisher.



Bibliografia de TARRYN FISHER (ordem cronológica):

Livros:
·         A Oportunista – Faro Editorial (2016).
·         A Perversa – Fato Editorial (2016).
·         O Impostor – Fato Editorial (2016).

Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Isadora!
    Apesar de não gostar dos livros com triângulos amorosos, como tenho esse exemplar aqui, espero poder ler, embora só esteja começando séries quando tenho todos os exemplares em mãos, mas vez por outra dou uma furada nessa minha proposta pessoal...kkkk
    Desejo uma ótima semana!
    “A parte que ignoramos é muito maior que tudo quanto sabemos.” (Platão)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!